Formação de profissionais para o Sistema Único de Saúde: ensino de educação em saúde emancipatória

Alva Helena Almeida, Luciana Cordeiro, Cássia Baldini Soares

Resumo


Esse artigo relata a experiência de ministrar a disciplina de Educação em Saúde para profissionais de saúde, alunos de um Programa de Aprimoramento na cidade de São Paulo. Objetiva-se elencar os principais elementos de um processo educativo para trabalhadores da área, segundo referenciais do campo da saúde coletiva e da educação emancipatória, de forma a explicitar potencialidades e fragilidades de processos de formação e qualificação de recursos humanos para o Sistema Único de Saúde. Discorre-se sobre os sujeitos envolvidos, instrumentos, conteúdos teóricos, atividades práticas e de avaliação, no período de quatro anos (2012-2015). Os resultados revelam que apesar de parte dos profissionais apresentarem dificuldades para a compreensão e proposição de práticas educativas emancipatórias, para além do saber clínico, a disciplina proporcionou espaço reflexivo aos alunos, gerando desenvolvimento profissional. Reitera-se a potencialidade das práticas educativas como um instrumento da saúde coletiva para compreensão das raízes dos problemas de saúde e das possibilidades de mudanças coletivas, ainda que essa experiência se constitua uma iniciativa isolada, de baixo impacto no processo de qualificação de trabalhadores para o SUS.


Palavras-chave


capacitação de recursos humanos em saúde; desenvolvimento de pessoal educação em saúde; saúde coletiva; trabalho e educação na saúde

Texto completo:

PDF


Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.