FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE: ensino de educação em saúde emancipatória

ALVA HELENA ALMEIDA, LUCIANA CORDEIRO, CÁSSIA BALDINI SOARES

Resumo


Esse artigo relata a experiência de ministrar a disciplina de Educação em Saúde para profissionais de saúde, alunos de um Programa de Aprimoramento na cidade de São Paulo. Objetiva-se elencar os principais elementos de um processo educativo para trabalhadores da área, segundo referenciais do campo da saúde coletiva e da educação emancipatória, de forma a explicitar potencialidades e fragilidades de processos de formação e qualificação de recursos humanos para o Sistema Único de Saúde. Discorre-se sobre os sujeitos envolvidos, instrumentos, conteúdos teóricos, atividades práticas e de avaliação, no período de quatro anos (2012-2015). Os resultados revelam que apesar de parte dos profissionais apresentarem dificuldades para a compreensão e proposição de práticas educativas emancipatórias, para além do saber clínico, a disciplina proporcionou espaço reflexivo aos alunos, gerando desenvolvimento profissional. Reitera-se a potencialidade das práticas educativas como um instrumento da saúde coletiva para compreensão das raízes dos problemas de saúde e das possibilidades de mudanças coletivas, ainda que essa experiência se constitua uma iniciativa isolada, de baixo impacto no processo de qualificação de trabalhadores para o SUS.


Palavras-chave


capacitação de recursos humanos em saúde; desenvolvimento de pessoal educação em saúde; saúde coletiva; trabalho e educação na saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Paim JS. A reforma sanitária brasileira e o sistema único de saúde: dialogando com hipóteses concorrentes. Physis. 2008;18(4):625-44. Disponível em: Acesso em: 10.01.2016.

Calipo SM, Soares CB. Público e privado na reforma do sistema de saúde no Brasil. Sociedade e Debate. 2008;14(1):119-38. Disponível em:

< http://revistas.ucpel.tche.br/index.php/rsd/article/view/389 >. Acesso em: 10.05.2015.

Campos CMS, Viana N, Soares CB. Mudanças no capitalismo contemporâneo e seu impacto sobre as políticas estatais: o sus em debate. Saude soc. 2015;24(suppl1):82-91.

Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015S01007 >. Acesso em: 09.12. 2016.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. 35ed. 2012. Brasília: Biblioteca Digital. Disponível em: Acesso em: 03.03.2017

Gil CRR, Maeda ST. Modelos de atenção à saúde no Brasil. In: Soares CB, Campos CMS, organizadoras. Fundamentos de Saúde Coletiva e o Cuidado de Enfermagem. Barueri, SP: Manole; 2013. p.325-48.

Bezerra TCA, et al. Avaliação de Programas de formação Profissional em Saúde: construção e validação de Indicadores. Trab. educ. saúde. 2016; 14(2): 445-72. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00111>. Acesso em: 10.08.2016.

Conferência nacional de recursos humanos para a saúde. Relatório final. Brasília: Ministério da Saúde. 1986. Disponível em:

< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0116conf_rh.pdf> . Acesso em: 20.10.2016.

Oliveira Junior M. Administração de recursos humanos um obstáculo à municipalização dos serviços de saúde? Saúde Debate. 1990;(28):41-5.

Paim JS. Recursos humanos em saúde no Brasil: problemas crônicos e desafios agudos. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/USP;1994 80pg. (Ad Saúde – Série Temática Nº1).

Almeida AH. A incorporação dos princípios e das diretrizes do sistema único de saúde aos cursos de formação do auxiliar de enfermagem – projeto larga escala – 1989-1992.

[mestrado]. São Paulo (Cidade): Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2000.

São Paulo (Cidade). Proposta de formação de pessoal de níveis elementares e médio na Secretaria Municipal de Saúde. São Paulo: Secretaria Municipal da Saúde. 1989. (mimeografado).

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. Mudança na Graduação das Profissões de saúde sob o eixo da Integralidade. Cad. saúde pública. 2004; 20(5):1400-10. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500036> Acesso em: 10.05.2015

Carvalho YM, Ceccim RB. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. In: Campos GWS et al. Tratado da saúde coletiva. Rio de Janeiro: Hucitec, Fiocruz; 2006. p.137-170.

Araújo D, Miranda MCG, Brasil SL. Formação de profissionais de saúde na perspectiva da integralidade. Rev. baiana saúde pública 2007; 31(Supl.1):20-31. Disponível em: http://www.medicina.ufg.br/up/148/o/FORMACAO_DE_PROFISSIONAIS_DE_SAUDE_NA_PERSPECTIVA_DA_INTEGRALIDADE.pdf Acesso em: 10.03.2016.

Haddad AE, et al. Formação de profissionais de saúde no Brasil: uma análise no período de 1991 a 2008. Rev saúde pública. 2010;44(3):383-93. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000015 >. Acesso em: 10.10.2016.

Almeida Filho NM. Contextos, impasses e desafios na formação de trabalhadores em saúde coletiva no Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2013;18(6):1677-82. Disponível em: . Acesso em: 15.05.2015.

Wendhausen ALP, Saupe R. Concepções de educação em saúde e a estratégia saúde da família. Texto & contexto enferm. 2003;12(1):17-25.

Pinafo E, et al. Relações entre concepções e práticas de educação em saúde na visão de uma equipe de saúde da família. Trab. educ. saúde. [Online]. 2011;9(2):201-221. Disponível em: <.http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000200003>. Acesso em: 06.03.2016

Sant’Anna SR, Hennington EA. Micropolítica do trabalho vivo em ato, ergologia e educação popular: proposição de um dispositivo de formação de trabalhadores da saúde. Trab. educ. saúde. [Online]. 2011;9(supl.1):223-44. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000400011>. Acesso em: 06.03.2016.

Feijão AR, Galvão MTG. Ações de Educação em Saúde na atenção primária: revelando métodos, técnicas e bases teóricas. Rev. RENE. 2007;8(2):41-9. Disponível em: . Acesso em: 10.03.2016.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(1):319-25. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100034>. Acesso em: 15.05.2015.

Stotz EN. Enfoques sobre educação e saúde. In: Valla VV, Stotz EN. organizadores. Participação popular, educação e saúde: teria e prática. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; 1993. p.11-22.

Ceccim RB, Ferla AA. Educação e Saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab. educ.saúde. [Online]. 2008;6(3):443-56. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462008000300003>. Acesso em: 15.05.2015.

Ferreira VF, et al. Educação em saúde e cidadania: revisão integrativa. Trab. educ. saúde. [Online]. 2014; 12(2):363-78. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462014000200009>. Acesso em: 15.05.2015.

Conterno SFR, Lopes E. Inovações do século passado: origens dos referenciais pedagógicos na formação profissional em saúde. Trab. educ. saúde.[Online]. 2013;11(3):503-23. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462013000300004>. Acesso em: 10.03.2016.

Garcia MAA, et al. A interdisciplinaridade necessária à educação médica. Rev. bras. educ. méd. [Online]. 2007;31(2):147-55. Disponível em:

< http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022007000200005>. Acesso em: 10.03.2016.

Albuquerque VS, Giffin KM. Globalização capitalista e formação profissional em saúde: uma agenda necessária ao ensino superior. Trab. educ. saúde. [Online]. 2008;6(3):519-38. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462008000300007>. Acesso em: 10.03.2016.

Nogueira RP. Mercado de trabalho em saúde: conceitos e medidas. In: Medici AC organizador. Textos de Apoio Planejamento I Recursos Humanos em Saúde. Rio de Janeiro: Programa de Educação continuada da Escola Nacional de Saúde Pública (PEC/ENSP), Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (ABRASCO); 1987. p.19-23.

Frigoto G. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Paz e Terra; 2000.

Cordeiro L, Soares CB. Implementation of evidence-based health care using action research: an emancipatory approach. International Journal of Nursing Practice. 2016;22(4):333–38.Disponível em: onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/ijn.12467/full

doi10.1111/ijn.12467 Acesso em: 10.12.2016.

Almeida AH, Trapé CA, Soares CB. Educação em saúde no trabalho de enfermagem. In: Soares CB, Campos, CMS, organizadoras. Fundamentos de saúde coletiva e o cuidado de enfermagem. Barueri, SP: Manole; 2013. p. 293-312.

Queiroz VM, Salum MJF. Reconstruindo a intervenção de enfermagem em saúde coletiva: In: Anais 48º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 1996 out 6-11; São Paulo. São Paulo (Cidade): ABen-Seção-SP; 1996. p.347. (mimeografado).

Viana N. Soares CB, Campos CMS. Reprodução social e processo saúde-doença: para compreender o objeto da saúde coletiva. In: Soares CB Campos CMS, organizadoras. Fundamentos de saúde coletiva e o cuidado de enfermagem. Barueri, SP: Manole; 2013. p.107-42.

Tapajós R. Políticas de saúde no Brasil: um século de luta pelo direito à saúde. [DVD]. São Paulo: Tapiri Cinematográfica Ltda; 2006 (60min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Kbo7YrhsE84. Acesso em: 10.03.2017.

Grasso SB. El empleo. [DVD]. Argentina:2008 (7min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cxUuU1jwMgM. Acesso em: 10.02.2017.

EFE. Estagiário morre após trabalhar três dias seguidos. G1.Globo. 2013 ago. 21. Disponível em: < http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/08/estagiario-do-bank-of-america-morre-apos-trabalhar-tres-dias-seguidos.html >. Acesso em: 07.03.2017.

Donato AF. Algumas considerações sobre tendências pedagógicas e educação e saúde. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.). 2009;(48):5-14. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-18122009000300003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10.02.2014.

Abrahão AL, Garcia ALS. Sobre o exercício da educação em saúde: um estudo bibliográfico da prática em enfermagem. Saúde Colet.(Barueri, Impr.). 2009;7(31):155-62. Disponível em: www.redalyc.org/pdf/842/84212136007.pdf. Acesso em: 10.02.2014.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.