SOCIEDADE DE GARANTIA SOLIDÁRIA (SGS) – FINALMENTE UM MARCO LEGAL ROBUSTO PARA A GARANTIA COLETIVA DE CRÉDITO

Autores

  • Nelson Casarotto Filho UFSC
  • Ricardo Alexandre de Mello Oliveira
  • Thiago Zschornack UFSC - EGC
  • Flavio Locatelli Central - SGC
  • Sidney Schossland

Palavras-chave:

SGS, SGC, Cooperativas de Crédito, Garantia, PMEs

Resumo

Em 02 de dezembro de 2019 foi sancionada pela Presidência da República a lei complementar 169, que acrescenta artigos à Lei Complementar 123, de 2006, também conhecida como Estatuto da Microempresa. Esse projeto de lei autoriza a constituição de sociedades de garantia solidária (SGS) e foi regulamentada pela Resolução 4822, de 01 de junho de 2020 do Banco Central do Brasil. Um sério problema enfrentado pelas pequenas empresas no Brasil é o de garantia de crédito. Países como Itália, Espanha e Portugal, por exemplo, possuem sistemas de garantia coletiva que oferecem fiança aos bancos, além de se responsabilizarem desde a análise do projeto à elaboração do contrato, resolvendo dois problemas: o da garantia em si, e a burocracia. O objetivo do artigo é analisar o modelo Sociedade de Garantia Solidária, frente a outros modelos de garantia coletiva já em utilização no Brasil, daí resultando sugestões de melhorias no sistema. O novo marco legal das SGSs parece ser mais robusto que as alternativas em uso atualmente, que são as cooperativas de crédito atuando como garantidoras, e as Sociedades de Garantia de Crédito (SGC), sem um marco legal robusto que as equiparem a instituições bancárias, com o respectivo status de fiança bancária, capaz de substituir garantias reais. O artigo utilizou-se da abordagem qualitativa, por meio de pesquisa bibliográfica, para levantamento de histórico e características dos três modelos de garantia e, por meio do método descritivo para, a partir de comparações, evidenciar as diferenças, com maior ênfase no impacto tributário. O estudo mostrou que a sociedade de garantia solidária, a par de ter um marco legal robusto, por se tratar de uma sociedade anônima, apresenta maior ônus se comparada a outros dois sistemas. Desta forma, o estudo propõe a indicar melhorias no marco legal do sistema, que combinem as vantagens legais das SGSs com o tratamento tributário de Cooperativas ou das SGCs.

Referências

AGC – Apresentação da Associação de Garantia de Crédito da Serra Gaúcha – in: Fórum Nacional: Sistemas de Garantia de Crédito, São Paulo, SEBRAE/BACEN/FEBRABAN, 2005.

AMATO Neto, João, Redes de Cooperação produtiva e clusters regionais, São Paulo, Atlas, 2000.

AMIN HELOU Filho, E., PLP 106/2011, Câmara dos Deputados do Brasil, in: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=AA8C0FF169B9483325F845395C8105A0.proposicoesWebExterno2?codteor=936770&filename=Tramitacao-PLP+106/2011 acesso em 17 de Junho de 2020.

ARAÚJO, Alexandre G. de GARANTIAS PARA FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO EM NEGÓCIOS DE IMPACTO, Sebrae Nacional, Brasília, 2018.

Banco Central do Brasil, Resolução 4822, de 01 de junho de 2020.

BAUMGARTNER, Regiane, Propostas para implementação de um sistema de garantia de crédito mutualista como alternativa de acesso ao crédito para as micro, pequenas e médias empresas no Brasil, dissertação de mestrado, EPS, UFSC, 2004.

CASAROTTO FILHO, N.; CUNHA, Idaulo J.; FERASSO, Marcos ; SANTA CATARINA, Artur. Becoming an eco-innovative industrial cluster through de-regionalization: lessons from Italian and Brazilian clusters. Aprovado, em edição, LATIN AMERICAN BUSINESS REVIEW (BINGHAMTON, N.Y.), 2020.

CASAROTTO FILHO, Nelson et al. The Function Collective Guarantee of Credit through Urban Credit Cooperatives: an Experience of the South of Brazil, in: Ferrasso, M.; Saldanha, J.A.V. e Casarotto Filho, N. Studies on Industrial Clusters and Local Development, Saarbrücken, Lambert, 2013.

CASAROTTO FILHO, N.; FERASSO, Marcos; SALDANHA, J. A. V. Intermediary levels of government for the development of productive agglomerations: viable implementations for emerging countries. International Journal of Strategic Business Alliances, v. 6, p. 251-266, 2019.

CASAROTTO FILHO, Nelson e AMATO NETO, João, Cooperação entre pequenas e médias empresas, garantia mutualista e desenvolvimento regional, READ, v.13, pág 1-17, 2007, Porto Alegre.

CASAROTTO Filho, N. e PIRES, L.H. – Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local- 2ª ed., São Paulo, Atlas, 2000.

CUNHA, Richard C. PROPOSTA DE UM SISTEMA DE GARANTIAS DE CRÉDITO PARA O FINANCIAMENTO REEMBOLSÁVEL DA INOVAÇÃO EM MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS, Dissertação, Mestrado Profissional em Administração do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (ESAG) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, 2017.

MARANGONI, Mario – La normativa italiana sui confidi, in: Fórum Nacional: Sistemas de Garantias de Crédito, São Paulo, SEBRAE/BACEN/FEBRABAN, 2005.

MELLO, Ricardo Alexandre. Sociedade de garantia solidária como alternativa de acesso ao crédito para micro e pequenas empresas no Estado de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 2002. 216 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

MELLO, R. A. e SCHOSSLAND, S. Sociedades de Garantia Solidária, alternativa eficaz de acesso ao crédito para micro e pequenas empresas, Letradagua, Joinville, 2015.

MELLO, R. A., SCHOSSLAND, S e Zschornack, T. Sociedades de Garantia Solidária, alternativa eficaz de acesso ao crédito para micro e pequenas empresas, Letradagua, Joinville, 2019.

MOSCONI, Franco (org) La metamorfose del modelo Emiliano: l`Emilia-Romagna e i distretti industriali che cambiano. Bologna, Il Molino, 2012.

POMBO, Pablo y HERRERO, Alfredo. Los sistemas de garantias para la pyme en una economia globalizada. 1ª ed. España: Egondi Artes Grafic, 2001.

POMBO, Pablo. Aportes conceituales y características para una clasificación internacional de los sistemas/esquemas de garantía. Córdoba: Universidade de Córdoba, 2006, 443p. (Tese de doutoramento). – Faculdad de ciencias económicas y empresariales.

PORTAL DAS SGC. Quem somos. 2017e. Disponível em: <http://www.garantidorasdecredito.com.br/que-somos/#1470513581780-68aec001-

>. Acesso em: 03 nov. 2017.

Presidência da República, lei complementar 169, de 2 de dezembro de 2019.

PROPERSI, Adriano e ROSSI, Giovanna – I Consorzi, Milano, Il Sole 24 Ore, 1998.

SANTOS, Carlos Alberto, Experiências Brasileiras sobre sistemas de garantia de crédito, São Paulo, SEBRAE/BACEN/FEBRABAN, 2005.

SGC Central. Análise do Impacto da Lei Complementar 169/2019, Relatório Técnico, SGC Central, 2020.

SPGM- O Sistema Português de Garantia Mútua, in: Fórum Nacional: Sistemas de Garantias de Crédito, São Paulo, SEBRAE/BACEN/FEBRABAN, 2005.

SENADO FEDERAL DO BRASIL. Senado aprovou em 2019 propostas com grande impacto na economia. 2020. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/01/02/senado-aprovou-em-2019-propostas-com-grande-impacto-na-economia. Acesso em: 02 jan. 2020.

TREVISAN, Nichola, CONFIDI- Modelo Italiano, in: Fórum Nacional: Sistemas de Garantias de Crédito, São Paulo, SEBRAE/BACEN/FEBRABAN, 2005.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a Pesquisa Qualitativa em Educação – O Positivismo, A Fenomenologia, O Marxismo. 5 ed. 18 reimpr. São Paulo: Atlas, 2009.

TROSTER, Roberto L. – Sistemas de Garantia de Crédito – Febraban, in: Fórum Nacional: Sistemas de Garantias de Crédito, São Paulo, SEBRAE/BACEN/FEBRABAN, 2005.

TROSTER, Roberto L. A reforma tributária e a intermediação financeira. Valor Econômico. Rio de Janeiro: Disponível em: https://valor.globo.com/opiniao/coluna/a-reforma-tributaria-e-a-intermediacao-financeira.ghtml. Acesso em: 20 jun. 2020.

ZEIDAN, R. Armadilha da liquidez: BNDES deveria assumir os riscos para emprestar as pequenas e médias empresas. Folha de São Paulo. São Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/rodrigo-zeidan/2020/04/armadilha-da- liquidez.shtml. Acesso em: 04 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2020-08-12

Edição

Seção

Artigos