O parto é nosso: Autonomia da mulher em trabalho de parto e parto sob o ponto de vista de médicos obstetras humanizados em uma cidade catarinense.

Raphaela Rezende Nogueira Rodrigues

Resumo


A presente pesquisa visou analisar a percepção de quatro obstetras a respeito da autonomia da mulher em trabalho de parto e parto no atendimento humanizado. Entendemos que para agir com autonomia, a mulher deve se sentir competente após compreender a informação e ter a liberdade de decidir. Objetivo: Analisar a existência ou não de autonomia feminina, como ela ocorre e qual é o papel do médico obstetra nesse contexto. Metodologia: Entrevistas com roteiro semi aberto e análise de discurso. Resultados: Concluímos que nem mesmo  em  um  hospital  humanizado  há garantia  de  autonomia  para  a  parturiente,  nem  de  relações  sem violência, pois o ambiente hospitalar possui regras e condutas específicas para resguardar a equipe e a instituição, dentro de um sistema que hierarquiza os sujeitos ali inseridos. Por mais heterodoxos que os obstetras entrevistados sejam dentro do campo médico, eles estão dentro deste e para tal estabelecem condutas e habitus que estruturam a instituição hospitalar e as suas próprias ações. Conclusões: No contexto do parto humanizado, é percebido através das entrevistas que para a mulher conseguir fazer valer seu poder decisório, é preciso que exista a validação do médico ou a ela é permitido decidir questões ínfimas, portanto, não é uma decisão autônoma por si. Observa-se que há uma maior possibilidade de agir com autonomia quando a mulher grávida tem suporte financeiro que a permita contratar uma equipe de sua escolha, quando opta por um parto em um ambiente extra hospitalar e quando este é realizado com o atendimento prestado por enfermeiras obstetrizes. Portanto, é necessário esclarecer que também há um recorte econômico e de classe quando falamos de autonomia feminina, pois esta não engloba as mulheres como um todo, principalmente as mulheres atendidas pelo sistema público de saúde.


Palavras-chave


Parto Humanizado, Autonomia pessoal, Violência contra a mulher

Texto completo:

PDF


Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.