Saúde e Mulheres Camponesas em Movimento: o protagonismo do MMC na defesa da saúde pública

Andressa Bertoncello, Rosana Maria Badalotti, Maria Elisabeth Kleba

Resumo


Este artigo objetiva analisar o protagonismo do MMC (Movimento de Mulheres Camponesas) na discussão e defesa da saúde pública. Aborda a trajetória do MMC na defesa dos direitos das mulheres, no que se refere a questão da saúde sexual e reprodutiva, planejamento familiar e violência doméstica. A análise considera também a atuação do MMC na construção da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. O MMC possui uma forma de organização particular na área da saúde, com conhecimentos populares acumulados em torno de práticas e ações que são repassadas de geração para geração. O movimento defende um projeto de agricultura camponesa com ênfase na agroecologia, plantas medicinais, sementes crioulas e produção de alimentos saudáveis.

Palavras-chave


Mulheres Camponesas; Agricultura Camponesa; Política de Saúde; Saúde pública;

Texto completo:

PDF

Referências


Boni V. MMC um movimento camponês e feminista. In: Grifos. Chapecó: Argos; 2013.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14a ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

González Rey F. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.866/2011. Política nacional de saúde integral das populações do campo e da floresta. Brasília: MS; 2013.

Poli O. Leituras em movimentos sociais. Chapecó: Grifos; 2008.

Cinelli C. Movimento de Mulheres Camponesas: 30 anos. In: Grifos. Chapecó: Argos; 2013.

Pulga VL. (Tese) Mulheres camponesas plantando saúde, semeando sonhos, tecendo redes de cuidado e de educação em defesa da vida. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2014.

Boni V. (Tese) De agricultoras a camponesas: o movimento de mulheres camponesas de Santa Catarina e suas práticas. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2012.

Movimento de Mulheres Camponesas do Brasil - MMC-BRASIL. Mulheres camponesas produzindo alimentos saudáveis. Passo Fundo/RS: Passografic; 2015.

Articulação de mulheres Trabalhadoras Rurais - AMTR-SUL. Mulheres camponesas em defesa da saúde e da vida. Passo Fundo/RS: Passografic; 2008a.

Melucci A. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis/RJ: Editora Vozes; 2001.

Articulação de mulheres Trabalhadoras Rurais - AMTR-SUL. Gênero, sexualidade e direitos das mulheres. Chapecó: Marka Editora Gráfica Ltda; 2008b.

Krefta NM. A mulher camponesa e suas lutas pelo direito à saúde. In: Tempus Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 8, n. 2, p. Pág. 295-296, jun. 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Políticas de promoção da equidade em saúde. 1. ed., Brasília: MS; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.460/2005. Grupo da Terra. Brasília: MS; 2011.

SCHERER-WARREN, Ilse. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Rev. Sociedade e Estado. 2006, vol.21, n.1, pp.109-130.

Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina – MMC/SC. Produção de plantas medicinais aromáticas. Chapecó: Rota Impressos Gráficos Ltda; 2014.

Bertoncello A. (Dissertação) O movimento de mulheres camponesas e a política de saúde das populações do campo, da floresta e das águas. Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó. 2017.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.