Para todos verem: recursos para integração e inclusão

Cibele Haddad Taralli, Diego Normandi

Resumo


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística aponta cerca de 6 milhões de pessoas com severa deficiência visual vivendo no Brasil. Inseridos em uma sociedade que escolheu a visão como sentido primordial para socialização de conhecimentos, cultura e para comunicação, é possível avaliar o quão esse público ainda se encontra excluído do universo promovido pelas mídias sociais digitais. Este artigo compõe pesquisa de Doutorado que aborda as possibilidades de inclusão de pessoas com deficiência (sensoriais e de mobilidade) ao serviço/mercado de cinema, e neste artigo concentra-se na  proposta de desenvolvimento de ferramenta digital que torne possível, aos usuários da plataforma YouTube,a realização e publicação da descrição (audiodescrição) de vídeos compartilhados nesse ambiente, a fim de promover a inclusão de cegos ao vasto conteúdo disponibilizado na rede.


Palavras-chave


Deficiência visual; Inclusão; Youtube.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BARGAS, DIEGO. Quanto o YouTube paga por pageview? Mundo Estranho, 19 Ago, 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 Jun. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oicial, 1988. Portaria no 188.

CAMPANA, Anderson R. Análise da qualidade e usabilidade dos softwares leitores de tela visando a acessibilidade tecnológica às pessoas com deficiência visual. 2017. 149 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru-SP.

Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência / Luiza Maria Borges Oliveira / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília : SDH-PR/SNPD, 2012.

CID – Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde – Doenças do Olho e Anexos – Centro Colaborador da OMS. Edusp, Maio, 2004.

DA SILVA, JOSÉ R. YouPlayer – Uma alternativa acessível para o YouTube. DicasApple.com, 09 Fev. 2014. Disponivel em: . Acesso em: 05 Jun. 2017.

FERREIRA, Matheus Viana. Inserção da pessoa com deficiência visual no mercado de trabalho: afirmação da cidadania. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 20, n. 4379, 28 jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2017.

HAMANN, RENAN. Com quantos vídeos se faz um YouTube? TecMundo, 03 Jun, 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 Jun. 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geograia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http: http://www.censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 12 de agosto de 2012.

NORMANDI, Diego. Design para acessibilidade: inclusão de pessoas com deficiência visual ao serviço de cinema. 2016. 356 f. Dissertação (mestrado) – Universidade de São Paulo, Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo.

O'REILLY, Tim. What Is Web 2.0 - Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software. O'Reilly Publishing, 2005.

SONZA, Andréa Poletto. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectivas de usuários com limitação visual. 2003. 313 f. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias.

THOMPSON, Bill. Web 2.0: as consequências da tecnologia para a sociedade. In: VILLARES, Fábio (Org.) Novas mídias digitais. Audiovisual, games e música. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

VIVARTA, VEET. Mídia e deficiência. Brasília: Andi; Fundação Banco do Brasil, 2003.

Youdescribe: ferramenta que permite gravar audiodescrição para vídeos do Youtube. Blog da Audiodescrição, 16 Ago. 2013. Disponivel em: . Acesso em: 05 Jun. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

indexadores