O êxodo rural e urbano por uma visão da inovação tecnológica

Alexandre Leopoldo Gonçalves, Henrique Otte

Resumo


Este trabalho oferece uma visão de um novo ciclo de êxodo rural, acelerando um processo histórico, decorrente das rápidas mudanças tecnológicas recentes. Por meio análises de dados históricos e recentes disponibilizados por agências governamentais e privadas, quanto ao descolamento de pessoas entre o campo e a cidade com base em suas características socioeconômicas e capacidade tecnológica. Trata-se de um trabalho com base dedutiva, onde dados serão analisados dentro da racionalidade, porém, possui características fenomenológicas e resultados indutivos ao buscar entender a realidade do fenômeno com base em generalizações. Classificado como pesquisa básica explicativa, documental e bibliográfica. Elaborando, a partir dos dados colhidos e argumentação baseada diferentes autores e áreas do conhecimento, entendimento do novo movimento migratório de indivíduos entre o campo e a cidade vem ocorrendo. Verificando níveis de escolaridade, salários e características de atividades que são oferecidas e a capacidade de atendimento destes critérios pelos seus grupos urbanos e rurais. Busca-se o entendimento dentro do comportamento do ser humano e na forma como ele lida com seu ambiente. Sendo a adaptação uma das naturezas humanas onde o indivíduo busca a manutenção de sua existência e seu desenvolvimento por meio da sua modificação ou do seu meio. E a tecnologia é ao mesmo tempo uma forma de modificação do espaço e necessita do indivíduo transformado pelo conhecimento. Obteve-se como resultado o melhor entendimento do fenômeno do novo ciclo de êxodo rural, que acelera o fenômeno histórico, causado pelo avanço das novas tecnologias e realidade das vidas nos grandes centros urbanos.

Palavras-chave


êxodo rural; inovação; conhecimento

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMS, D.; HOGG, M. A. Social identity and social cognition. [s.l: s.n.].

CHARNESS, G.; RIGOTTI, L.; RUSTICHINI, A. Individual behavior and group membershipAmerican Economic Review, 2007.

COUTINHO, L. Globalização e capacitação tecnológica nos países de industrialização tardia: lições para o Brasil. Gestão & Produção, v. 3, n. 1, p. 49–69, 1996.

HAMEL, G. The why, what, and how of management innovationHarvard Business Review, 2006.

HARARI, Y. N. Sapiens. [s.l: s.n.].

HARPER, K. The Environmental Fall of the Roman Empire. Daedalus, v. 145, n. 2, p. 101–111, 2016.

HELD, D. et al. Globalization. Global Governance, v. 5, p. 483–496, 1999.

IBGE. Nupcialidade, fecundidade e migração. Estatísticas do registro civil 2014, v. 41, p. 1–81, 2015.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR MIGRATION. World Migration Report 2013. Migrant Well-Being and Development. [s.l: s.n.].

LOGIC, S. et al. Inbound Marketing. Review Literature And Arts Of The Americas, v. 6, p. 5–7, 2009.

MARSHALL, J. GARY HAMEL Looks at Innovation.Financial Executive, 2002. Disponível em:

MATURANA, H.; VARELA, F. Autopoiesis and Cognition : The Realization of the Living (Boston Studies in the Philosophy of Science). [s.l: s.n.].

MURGANTE, B.; DANESE, M. Urban Versus Rural. International Journal of Agricultural and Environmental Information Systems, v. 2, n. 2, p. 16–28, 2011.

PEREIRA, S.; SIQUEIRA, S. Migraçao, retorno e circularidade: evidência da Europa e Estados Unidos. REMHU - Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. XXI, n. 41, p. 117–138, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

indexadores