IDENTIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: ÁREAS DE PREDILEÇÃO E DE ATUAÇÃO

Autores

  • Gilberto Braga Pereira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-5554-2016
  • Regina Maria da Costa Smith Maia Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)
  • Ionara Houry Heizer Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (FUNCESI)
  • Thaiany Miranda Ambrósio Sena Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (FUNCESI)

Palavras-chave:

Engenheiro de produção, Identidade profissional, Área de atuação, Área de predileção.

Resumo

O objetivo do presente artigo é caracterizar as áreas de atuação e de predileção, além de mensurar a identidade profissional da Engenharia de Produção. A métodologia empregada foi a de pesquisa de campo, descritiva, qualitativa e quantitativa com levantamento de dados por meio de entrevistas semiestruturadas e instrumento padronizado. Valeu-se da amostra probabilística aleatória simples com 85 engenheiros, formados entre 2008-2010; e  não-probabilística: cinco (critérios: acessibilidade e tipicidade). As técnicas análise empregadas foram de conteúdo e estatística descritiva e inferencial (softwares SPSS versão 23® e Microsoft Excel®). Resultados parciais: carreira ascendente em todos os casos, apenas um não atua em área de abrangência própria, e um entrevistado não atua na sua área de predileção. Identidade profissional: na auto e heteropercepção bastante favorável, com destaque para os qualificativos ética, multidisciplinar e capacidade de gestão. Áreas de atuação: dentre os que atuam nas áreas de abrangência da EP se identificam qualitativamente de modo diferente daqueles que não atuam nestas. A identidade profissional foi descrita majoritariamente com favorabilidade.

Biografia do Autor

Gilberto Braga Pereira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutor em Psicologia(UFMG/Brasil. Ênfase: Trabalho, Sociabilidade e Saúde).Mestre em Administração(FEAD/MG. Ênfase: Organizações, Mudança e Gestão de Pessoas).Psicólogo (PUC-MG). Síntese da Experiência Profissional: Atual: Professor/Pesquisador: Universidade do Estado de Minas Gerais, vinculado ao mestrado profissional em Segurança Pública e Cidadania (Disciplinas: Saúde mental e trabalho e Direitos Humanos e Cidadania) – 8 horas semanaisAnterior: Professor/pesquisador Instituições: Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira; PUCMinas; UNA; UNILEST; A Politécnica (Moçambique). Cursos de Graduação: Administração, Instituto de Ciências Humanas, Psicologia, Engenharia de Produção, Educação Tecnológica e Fisioterapia. Cursos de pós-graduação: Gestão de Pessoas; Psicologia Organizacional e do Trabalho; Gestão de Projetos. Principais Disciplinas Ministradas: Comportamento Organizacional; Gestão de Pessoas I e II; Psicologia da Saúde; Psicologia Organizacional; Mudança e Cultura Organizacional; Psicologia e Gestão: Avaliação e Desenvolvimento de Pessoas; Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem, Gestão do Desempenho e Carreira; Treinamento, Desenvolvimento e Educação; Aprendizagem e Educação Corporativa; Consultoria Organizacional; Gestão por Competências; Recrutamento, Seleção e Retenção de Pessoas; Remuneração Estratégica. Tem artigos publicados em periódicos nacionais, anais de congressos e reuniões científicas nacionais e internacionais, livros e capítulos de livros. Atuou mais de vinte e cinco anos Consultor de Organizações, como sócio-diretor da NÚCLEO Consultoria e Desenvolvimento de Pessoas.

Regina Maria da Costa Smith Maia, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Ionara Houry Heizer, Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (FUNCESI)

Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (FUNCESI)

Thaiany Miranda Ambrósio Sena, Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (FUNCESI)

Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (FUNCESI)

Referências

ABEPRO. (n.d.). Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Disponível em: http://www.abepro.org.br . Acesso em: 07 de mar. 2016.

ABRIL. Guia do Estudante. Guia de Profissões - Engenharia de Produção. (2016). Disponível em: http://guiadoestudante.abril.com.br/profissoes/engenharia-producao/engenharia-producao-685591.shtml . Acesso em: 16 abr. 2016.

AMARAL, L. M. (2015). Construção de um instrumento de auto e heteropercepção para análise da identidade profissional do Engenheiro de Produção. 2015. TCC (Graduação em Engenharia de Produção). Faculdade de Ciências Administrativas e Contábeis de Itabira, Itabira.

APPOLINÁRIO, F. (2012) Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning.

BARDIN, L. (2011). Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

BATALHA, M. O. (Org.). (2008). Introdução à engenharia de produção. CAMPUS – ABEPRO. Rio de Janeiro: Elsevier.

BIANCO, M. de F.; COLBARI, A. de L.; SILVA NETO, A. O. da. (2010). A categoria dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil: a (des) construção da identidade profissional. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cebape/v8n3/a06v8n3.pdf . Acesso em 30 abr. 2016.

BROCKMAN, J. B. (2013). Introdução à engenharia: modelagem e solução de problemas. Rio de Janeiro: LTC. 294 p.

CASTELLS, M. (2008). O Poder da Identidade. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra.

CIAMPA, A. da C. (1994) Identidade. In: LANE, S. T.; GODO, W. (Orgs). Psicologia social: o homem em movimento. 8 ed. São Paulo: Brasiliense, 1989. p. 58-75.

CUNHA, G. D. da. (2002). Um Panorama da Engenharia de Produção. Porto Alegre. Disponível em: http://www.abepro.org.br/arquivos/websites/1/PanoramaAtualEP4.pdf. Acesso em: 20 fev. 2016.

______. et al. (2010). Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. v. 7. Engenharia de Produção. Disponível em: http://www.ufjf.br/observatorioengenharia/files/2012/01/vol07.pdf. Acesso em: 26 maio 2016.

DUBAR, C. (2005). A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes.

FERREIRA, A. B. de H. (2014). Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 5 ed. rev. atual. aum. Curitiba: Editora Positivo. Disponível em: https://dicionariodoaurelio.com/. Acesso em 21 maio 2016.

GIL, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

______. (2010) Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

GOMES, D. F. N. et al. (2011). Entre a âncora de carreira e a escolha profissional: análise das primeiras definições de carreira dos formandos de curso de administração em São Paulo. Revista Pensamento & Realidade, v. 26, n. 1, p. 15-31. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/pensamentorealidade/article/download/7558/5498. Acesso em 30 maio 2016.

GRANJA, B. P. Assistente social: identidade e saber. (2008). 425 f. Tese (Doutorado em Ciências do Serviço Social). Universidade do Porto, Portugal. Disponível em: https://www.isssp.pt/si/file_get.publ_tese?p_id=9700. Acesso em: 07 maio 2016.

HALL, D. T. (2002). Careers in and out of organization. Thousand Oaks CA: Sage Publications. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=kzaiMJbrW_EC&pg=PA3&hl=ptBR&source=gbs_toc_r&cad=4#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 10 maio 2016.

HALL, S. (2006). A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 11 ed. Rio de Janeiro: DP&A.

LORDELO, S. N. de B. (2011). Mundo do trabalho e a formação do tecnólogo: compreensões necessárias à construção da sua identidade profissional. 2011, 205 f. Tese (Doutorado em educação). Faculdade de Educação – UFBA, Salvador. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14443. Acesso em: 07 maio 2016.

MACHADO, H. V. (2003). A Identidade e o Contexto Organizacional: Perspectivas de Análise. RAC. Edição Especial. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rac/v7nspe/v7nespa04.pdf . Acesso em: 30 abr. 2016.

MATTAR, F. N. (2011). Pesquisa de marketing. 4. ed. São Paulo: Atlas.

MENDES, C. N. M.; VIEIRA, A. M.; OLIVA, E. de C. (2005). Influência da educação corporativa sobre a relação entre aprendizagem e carreira: estudo em uma empresa de transporte de cargas. ReFAE – Revista da Faculdade de Administração e Economia, v. 6, n. 2, p. 85-106. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15603/2176-9583/refae.v6n2p85-106 . Acesso em: 10 maio 2016.

PEDRO, W. J. A. (2005). O estudo da identidade no âmbito da psicologia social brasileira. Revista Uniara, vol. 16. p. 109-116. Araraquara. Disponível em: http://www.uniara.com.br/legado/revistauniara/pdf/16/rev16completa_10.pdf . Acesso em: 30 abr. 2016.

RICHARDSON, R. J. (2014). Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

SANTOS, C. A. (2005). Construção Social do Conceito de Identidade Profissional. Interações, [S.l.], n. 8, abr. Disponível em: http://www.interacoes-ismt.com/index.php/revista/article/view/145. Acesso em: 21 maio 2016.

SANTOS, L. M. M. dos. (2005). O papel da família e dos pares na escolha profissional. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 1, p. 57-66. Disponível em: www.scielo.br/pdf/pe/v10n1/v10n1a07.pdf. Acesso em: 26 maio 2016.

SCHEIN, E. H. (1993). Career anchors: discovering your real values. Revised Edition. San Diego: Pfeifer & Company.

______. (1996). Identidade Profissional: Como ajustar suas inclinações a suas opções de trabalho. São Paulo: Nobel.

SILVA NETO, A. O. da. (2008). A Identidade Profissional do Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil no Estado do Espírito Santo: do Projeto de Reforma do Estado à Super-Receita. Dissertação (mestrado) 110 f. – Universidade Federal do Espírito Santo. Programa de Pós - Graduação em Administração do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=123093. Acesso em 30 abr. 2016.

SILVA, J. R. G.; VERGARA, S. C. (2002). Mudança organizacional e as múltiplas relações que afetam a reconstrução das identidades dos indivíduos. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador/BA, 26. Disponível em: http://app.ebape.fgv.br/comum/arq/Vergara1.pdf. Acesso em: 24 maio 2016.

VERGARA, S. C. (2013). Projetos e relatórios de Pesquisa em Administração. 14. ed. São Paulo: Atlas. 94 p.

Downloads

Publicado

2021-08-09

Edição

Seção

Artigos