Interface entre Estresse Precoce e Depressão em Adultos: uma Análise Reflexiva

Carla Araujo Bastos Teixeira, Maria Neyrian de Fátima Fernandes, Samára dos Santos Sampaio, Edilaine Cristina da Silva Gherardi-Donato

Resumo


Resumo: O presente trabalho tem como analisar reflexivamente com base na literatura a associação do estresse precoce e o desenvolvimento de depressão. O método caracteriza-se como um estudo descritivo, do tipo análise reflexiva, com discussão da literatura a partir de três categorias: estresse precoce, depressão e influências do estresse precoce na depressão em adultos. Como resultados, as experiências de estresse precoce influenciam os sistemas neurobiológicos, dentro dos limites genéticos, levando a manifestações comportamentais de depressão. São essas experiências adversas na infância que contribuem significativamente na fisiopatologia da depressão. O papel do estresse no desequilíbrio do processo saúde-doença está relacionado a causas multifatoriais. No entanto, conhecer o que acontece entre o estresse, na sua forma mais primária, estresse precoce e o desenvolvimento do adoecimento psíquico, em especial a depressão, é essencial para o direcionamento das práticas de assistência em saúde mental tanto no âmbito intervencionista como no âmbito preventivo. Faz-se necessários novos estudos na área.

Palavras-chave


Saúde mental; Enfermagem; Transtornos de ansiedade; Transtornos de estresse pós-traumáticos; Depressão.

Referências


Harold G, Acquah D, Sellers R, CHOWDRY H. What works to enhance inter-parental relationships and improve outcomes for children. Early Intervention Foundation. London: University of Sussex 2016. Disponível em: https://www.eif.org.uk/files/pdf/what-works-to-enhance-interparental-relationships-and-improve-outcomes-for-children.pdf. Acesso em 08.11.2018.

Pereira D, Ruzzi-Pereira A, Pereira P, Trevisan E. Desempenho ocupacional de adolescentes de um Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil (CAPSI). Rev Ter Ocup Univ São Paulo 2014; 25(1): 11-17. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/62256. Acesso em 08.11.2018.

Sanders J, Munford R, Thimasarn-Anwar T, Liebenberg L, Ungar M. The role of positive youth development practices in building resilience and enhancing wellbeing for at-risk youth. Child abuse & neglect, Oxford 2015; 42: 40-53. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0145213415000514. Acesso em 10.10.2018.

Grassi-Oliveira R, Stein LM, Pezzi JC. Tradução e validação de conteúdo da versão em português do Childhood Trauma Questionnaire. Rev Saúde Pública 2006; 40(2): 249-255. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102006000200010&lng=en. Acesso em 10.10.2018.

Bernstein DP et al. Development and validation of a brief screening version of the childhood trauma questionnaire. Child Abuse & Neglect, Oxford. 2003; 27(2): 169-190. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0145213402005410. Acesso em 20.10.2018.

Martins CMS, Tofoli SMC, Baes CVW, Juruena M. Analysis of the occurrence of early life stress in adult psychiatric patients: a systematic review. Psychol Neurosci 2011; 4(2): 219-227. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-32882011000200007&lng=en. Acesso em 04.10.2018.

Milovancević MP et al. Psychopathology and resilience in relation to abuse in childhood among youth first referred to the psychiatrist. Vojnosanitetski Pregled: Military Medical & Pharmaceutical Journal of Serbia 2014; 71(6): 565-570. doi: 10.2298/VSP1406565P. Acesso em 02.11.2018.

Pinto ACS, Luna IT, Sivla AA, Pinheiro PNC, Braga VAB, Souza AMA e. Fatores de risco associados a problemas de saúde mental em adolescentes: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP 2014; 48(3): 555-564. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342014000300555&lng=en. Acesso em 01.11.2018.

Mello MF, Faria AA, Mello AF, Carpenter LL, Tyrka AR, Price LH. Maus-tratos na infância e psicopatologia no adulto: caminhos para a disfunção do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Rev Bras Psiquiatr 2009; 31(Suppl 2): S41-S48. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000600002&lng=en. Acesso em 08.11.2018.

Calderero ARL, Miasso A, Corradi-Webster C. M. Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem de Pronto Atendimento. Revista Eletrônica de Enfermagem 2009; 10(1): 51-62. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/7681/5455. Acesso em 17.08.2018.

Martins CM, Von Werne Baes C, Tofoli SM, Juruena MF. Emotional abuse in childhood is a differential factor for the development of depression in adults. J Nerv Ment Dis 2014; 202(11): 774-82. doi: 10.1097/NMD.0000000000000202 Acesso em: 16.09.2018.

Oshri A, Rogosch FA, Burnette ML, Cicchetti D. Developmental pathways to adolescent cannabis abuse and dependence: child maltreatment, emerging personality, and internalizing versus externalizing psychopathology. Psychol Addict Behav 2011; 25(4): 634-44. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3189433/. Acesso em 17.08.2018.

Cruz-Fuentes CS, Benjet C, Martínez-Levy GA, Pérez-Molina A, Briones-Velasco M, Suárez-González J. BDNF Met66 modulates the cumulative effect of psychosocial childhood adversities on major depression in adolescents. Brain Behav 2014; 4(2): 290-7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3967543/. Acesso em 17.08.2018.

Apóstolo JLA, Figueiredo MHF, Mendes AC, Rodrigues MA. Depressão, ansiedade e estresse em usuários de cuidados primários de saúde. Rev Latino-Am Enferm 2011; 19(2): [06telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n2/pt_17.pdf. Acesso em 16.09.2018.

Batista JBV, Carlotto MS, Moreira AM. Depressão como causa de afastamento do trabalho: um estudo com professores do ensino fundamental. Psico 2013; 44(2): 257-62. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/11551/9644. Acesso em 20.07.2018.

American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of

mental disorders. 5th ed. Arlington: American Psychiatric Publishing, 2013.

Word Health Organization (WHO). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

Nunes TGR, Pontes FAR, Silva LIC, Dell'aglio DD. Fatores de risco e proteção na escola: Reprovação e expectativas de futuro de jovens paraenses. Psicol Esc Educ 2014; 18(2): 203-10. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572014000200203&lng=en&nrm=iso. Acesso em 08.11.2018.

Cicchetti D. Socioemotional, personality, and biological development: illustrations from a multilevel developmental psychopathology perspective on child maltreatment. Annual Review of Psychology 2016; 67: 187-211. doi: 10.1146/annurev-psych-122414-033259. Acesso em 24.07.2018.

Slavich GM, Monroe SM, Gotlib IH. Early parental loss and depression history: associations with recent life stress in major depressive disorder. Journal of Psychiatric Reserach 201; 45(9): 1146-52. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022395611000434?via%3Dihub. Acesso em 19.08.2018.

Walsh ND, Dalgleish T, Lombardo MV, Dunn VJ, Harmelen Anne-LauraV, Ban M, Goodyer IM. General and specific effects of early-life psychosocial adversities on adolescent grey matter volume. Neuro Image Clinical 2014; 4: 308-18. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2213158214000023. Acesso em 30.06.2018.

Konradt CE, Jansen K, Magalhães PVS, Pinheiro RT, Kapczinski FP, Silva RA da et al. Trauma precoce e transtornos de humor em jovens. Rev Psiquiatr Clín 2013; 40(3): 93-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832013000300003&lng=en. Acesso em 08.11.2018.

Lazarus R, Folkman S. Stress appraisal and coping. Spring Publishing Company: New York, 1984.

Teixeira CAB, Reisdorfer E, Gherardi-Donato ECS. Occupational stress and coping: reflection about the concepts in the hospital nursing practice. Nurs UFPE Online 2014; 8: 2528-33. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v8i7a9947p2528-2532-2014. Acesso em: 08.11.2018.

Teixeira CAB, Crepaldi ETS, Gherardi-Donato ECS, Reisdorfer E, Carvalho AMP, Santos PL dos. Testes psicológicos utilizados para avaliar estresse na criança: uma revisão integrativa. Arq Cienc Saúde UNIPAR 2015; 19(1): 53-58. Disponível em: http://revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/5265/3038. Acesso em 06.11.2018.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.