Redes pessoais significativas e os recursos de enfrentamento no luto

ivania Jann Luna, Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré

Resumo


Este artigo discute o protagonismo da pessoa em luto e de suas redes pessoais significativas e o modo de enlutamento na atualidade, que interdita a expressão pública do sofrimento no âmbito das relações sociais. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa que visa compreender as vivências de luto a partir da rede pessoal significativa de enlutados e sua relação com os recursos de enfrentamento para elaboração de uma perda. O estudo foi desenvolvido com 12 pessoas que perderam um membro familiar na vida adulta. Para a coleta de dados utilizou-se a entrevista semiestruturada e o mapa de redes, e para a organização e integração dos dados foram utilizados os procedimentos de codificação da Teoria Fundamentada e do software Atlas-ti 5.0. No processo de análise de dados destacam-se tres categorias conceituais, redes pessoais significativas, vivências de luto e recursos de enfrentamento. As redes pessoais significativas foram grandes e muito grandes, compostas por pessoas da família, amigos, prestadores de serviço e colegas de trabalho e estudo e que foram qualificadas pelo seu grau de compromisso relacional como íntimas ou sociais. Estas redes proprocionaram apoio emocional, material, cognitivo e companhia social às vivências de luto relacionadas à separação e à restauração de papéis. Por isso, os recursos de enfrentamento encontrados foram a espiritualidade, fazer terapia psicológica, receber apoio de amigos e familiares, manter o vínculo simbólico com a pessoa que morreu, desenvolver novos projetos de estudo, ocupar-se com o trabalho e assumir novas funções na família. Analisa-se que as redes geraram recursos de enfrentamento em torno do contato da pessoa enlutada com a realidade da perda bem como a reorganização da sua vida cotidiana. Conclui-se que as redes pessoais significativas configuradas no contexto da perda influenciaram tanto a construção de vivências e recursos de enfrentamento quanto a expressão pública do luto.

Palavras-chave


Saúde; Saúde Coletiva; Psicologia

Referências


Tchecov AP. Angústia: a quem confiar minha tristeza. In: Tchecov AP. A dama do cachorrinho e outros contos. 4ª ed. Boris S (Trad), São Paulo:Editora 34; 1999. p. 132-38.

Franco MHP. Uma mudança de paradigma sobre o enfoque da morte do luto na contemporaneidade. In: Franco MHP (org.). Estudos avançados sobre o luto. São Paulo: Editora Livro Pleno; 2002. p. 15-38.

Stroebe M; Gergen M et al. Broken hearts or broken bonds: love and death in historical perspective. Am Psychol 1992; 47(10):1205-12.

Walter T. A secularização. In: Parkes CM, Laungani P, Young B (orgs.). Morte e Luto através das culturas. Lisboa: Climepsi Editores; 1997. p. 195-220.

Koury MGP. Sociologia da Emoção: o Brasil urbano sob a ótica do luto. Petrópolis: Editora Vozes; 2003. 215p

Freire MCB. O som do silêncio: isolamento e sociabilidade no trabalho de luto. Natal: EDUFRN; 2005. 188p.

Thuen F. Received social support from informal networks and professionals in bereavement. Psychol, Heal & Med 1997; 2 (1): 51-63.

Benkel I; Molander U. Family and friends provide most social support for the bereaved. Palliat Med 2009; 23(2):141-9.

Breen L; O’connor M. Family and social networks after bereavement experiences of support, change and isolation. J Fam Therapy 2010; 33 (1): 98-120.

Griep R H; Chor D et al. Confiabilidade teste-reteste de aspectos da rede social no Estudo Pró-Saúde. Rev. Saúde Pública 2003; 37(3): 379-385. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102003000300018&lng=en. Acesso em 17/07/2018.

Freud S. Luto e melancolia. In: Freud, S. Edições Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol.14. Rio de janeiro: Imago; 1917/1974. p. 125-139.

Lindemann E. Symptomatology and management of acute grief. Am J Psychiatry. 1944; 101(2): 141-8.

Bowlby J. Processes of mourning. Int J Psychoanal . 1961; 13 (4/5):317-40.

Parkes, CM. Amor e perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo: Summus Editorial; 2009. 446p.

Stroebe M; Schut H. The dual process model of coping with bereavement: rationale and description. Death Stud 1999; 23(3):197–224.

Sluzki CE. A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. 1ªed. São Paulo: Casa do psicólogo; 1997. 147p.

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 2ª ed, Rio de Janeiro: Hucitec-Abraco; 2010. 269p.

Guest G; Bunce A et al. How many interviews are enough? An experiment with data saturation and variability. Disponível em: http://journals.sagepub.com/. Acesso em 25/02/2013.

Denzin NK; Lincoln YS. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2a. Edição. Porto Alegre: Artmed; 1980. 430p.

Moura C. (Dissertação). Uma avaliação da vivência do luto conforme o modo de morte. Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília/UNB. Brasília, 2006.

Olabuénaga, JIR. Metodología de la investigación cualitativa. Universidad de Deusto: Bilbao; 2009. 289p.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Define as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa em seres humanos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 12 de dez. 2012. Acesso: 04/01/2014.

Parkes CM. Guidelines for conducting ethical bereavement research. Death Stud 1995; 19(2): 171-81.

Muhr T. Atlas/ti the knowledge workbench. V 5.0 Quick tour for beginners. Berlin: Scientific Software Development; 2004. 314p.

Strauss A; Corbin J. Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2ª. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2008. 288p.

Rosenblatt PC. O luto em sociedades de pequenas escala In: Parkes CM, Laungani P, Young B (orgs.) Morte e Luto através das culturas. Lisboa: Climepsi Editores; 1997. p. 41-68.

Nogueira EJ (Tese). Rede de relações sociais: um estudo transversal com homens e mulheres pertencentes a três grupos etários. Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP, Campinas, 2001.

Moré CLOO, Santos ACW et al. A rede social significativa de mulheres que denunciaram a violência sofrida no contexto familiar. In Macedo RMS (org.). Família e Comunidade: pesquisa em diversos contextos. Curitiba: Juruá; 2014. p.220-237.

Walsh F; Mcgoldrick, M. A perda e a família: uma perspectiva sistêmica. In: Walsh F, Mcgoldrick, M (org.) Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed, 1998; p. 27-55.

Walter T. Grief narratives: The role of medicine in the policing of grief. Anthrop & Med 1999; 7(1): 97-114.

Zisook S; Shear K. Grief and bereavement: what psychiatrists need to know. World Psychiatry. 2009; 8(2): 67–74. Disponível em:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2691160/. Acesso em 12.07.2018.

Rubin SS; Malkinson R et al. Clinical aspect of a DSM Complicated grief diagnosed: challenges, dilemmas, and opportunities In: Stroebe M, Hansson R, Schut H, Stroebe W (org.) Handbook of bereavement research and practice advanced in theory and intervention. Washington: American Psychological Association; 2008. p187- 206.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.