Atenção à saúde bucal da população em situação de rua na região Sul do Brasil

Joaquim Gabriel Andrade Couto

Resumo


Objetivou-se analisar as ações de atenção à saúde bucal orientadas à população em situação de rua (PSR) na atenção primária à saúde das três capitais da Região Sul do Brasil. Estudo de natureza transversal, com caráter exploratório e abordagem qualitativa. A coleta dos dados ocorreu por meio de entrevistas semiestruturadas com 16 profissionais de saúde das três capitais. As entrevistas passaram pela técnica da Análise de Conteúdo. Constatou-se que o acesso à assistência à saúde da PSR se dá por meio das Unidades Básicas de Saúde, estando seus atendimentos mais vinculados aos Consultórios na Rua (CnaR). A assistência odontológica está entre uma das maiores demandas dessa população, observando-se que as três cidades atuam distintamente no seu provimento. Dentre as principais limitações para a consolidação da atenção à PSR estão: ausência de profissionais da saúde bucal trabalhando em equipe nas abordagens à PSR, a falta de sensibilização dos profissionais frente às demandas desta população, poucos dados e entendimento do processo saúde-doença na rua. Concluiu-se que ainda é necessário mudanças na formação profissional em saúde, assim como ampliação quantitativa e na qualificação dos profissionais que já atuam na atenção primária à saúde, a fim de estimular uma maior aproximação com a PSR.

Palavras-chave


População em situação de rua. Atenção primária à saúde,;Saúde bucal.

Referências


Paiva IKS, Lira CDG, Justino JMR, Miranda MGO, Saraiva AKM. Direito à saúde da população em situação de rua: reflexões sobre a problemática. Ciênc. Saúde Coletiva.2016;21(8):2595-2606.

Aguiar MMs, Iriart JAB. Significados e práticas de saúde e doença entre a população em situação de rua em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública.2012;28(1):115-24

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Saúde da população em situação de rua: um direito humano / Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Brasília (DF); 2014.

Hallais JAS, Barros NF de. Consultório na Rua: visibilidades, invisibilidades e hipervisibilidade. Cad Saúde Pública. 2015; 31(7):1497-1504.

Brasil. Lei nº 11.258, de 30 de dezembro de 2005. Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social, para acrescentar o serviço de atendimento a pessoas que vivem em situação de rua. Diário Oficial da União 02 jan 2005; Seção 1. p. 1

Brasil. A Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Série WWP Relatos de Uso de M&A; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Manual Sobre O Cuidado À Saúde Junto a População Em Situação de Rua. Brasília (DF); 2012.

Brasil. Decreto Presidencial nº 7.053, de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê IntersetorialdeAcompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Diário Oficial da União 24 dez 2009; p.1.

Sotero M. Vulnerabilidade e vulneração: população de rua, uma questão ética. Rev Bioética. 2011; 19(3):799-817.

Las personas sinhogar: problema de salud pública.Rev.Panam. Salud Públ. 1997;2(2):136-7.

Los problemas de salud de las personas sinhogar. Rev. Panam. Salud Públ. 2001;9(3):191-2.

Varanda W, Adorno RDCF. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Soc. 2004;13(1):56-69.

Barata RB, Carneiro Junior N, Ribeiro MCS de A, Silveira C. Desigualdade social em saúde na população em situação de rua na cidade de São Paulo.Saúde Soc. 2015; 24(Supl.1):219-32.

de Abreu D, de Oliveira WF. Atenção à saúde da população em situação de rua: um desafio para o Consultório na Rua e para o Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2017; 33(Supl. 1):1-2.

Organização Mundial da Saúde, Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre cuidados primários de Saúde. URSS, 1978.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica– Brasília (DF); 2012.

Santana C. Consultórios de rua ou na rua? Reflexões sobre políticas de abordagem à saúde da população de rua. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Supl. 1):1798-9.

Scharamm FR. Bioética da proteção: ferramenta válida para enfrentar problemas morais na era da globalização. Rev Bioética. 2008; 16(1):11-23.

Watt RG, Heilmann A, Listl S, Peres MA. London Charter on Oral Health Inequalities. J Dent Res. 2016; 95(3):245-7.

Glick M, Williams DM, Kleinman D V., Vujicic M, Watt RG, Weyant RJ. A new definition for oral health developed by the FDI World Dental Federation opens the door to a universal definition of oral health. J Public Health Dent. 2017;77(1):3-5.

Parker EJ, Jamieson LM, Steffens MA, Cathro P, Logan RM. Self-reported oral health of a metropolitan homeless population in Australia: comparisons with population-level data. Aust Dent J. 2011; 56(3/Supl. 1):272-7

Ford PJ, Cramb S, Farah CS. Oral health impacts and quality of life in an urban homeless population. Aust Dent J. 2014;59(2):234-9.

Pereira M, Oliveira L, Lunet N. Caries and oral health related behaviours among homeless adults from Porto, Portugal. Oral Health Prev Dent. 2014; 12(2):109-16.

Bardin, Laurence. Análise de conteúdo. Brasil: Edições 70. 2011.

Ferreira CP da S, Rozendo CA, Melo GB de. Consultório na Rua em uma capital do Nordeste brasileiro: o olhar de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Cad Saude Publica. 2016; 32(8):1-10.

Simões T. do R. de BA, Couto MCV, Miranda L, Delgado PGG. Missão e efetividade dos Consultórios na Rua: uma experiência de produção de consenso. Saúde Debate. 2017; 41(114):963–75

Figueiredo RLF, Hwang SW, Quiñonez C. Dental health of homeless adults in Toronto, Canada. J PublicHealthDent. 2012; 73(1. Supl.1):74-8

Hout MCV, Hearne E. Oral health behaviors amongst homeless people attending rehabilitation services in Ireland. J Ir Dent Assoc. 2014; 60(3):144-9.

Engstrom EM, Teixeira MB. Equipe “ Consultório na Rua ” de Manguinhos , Rio de Janeiro, Brasil : práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Ciênc. Saúde Coletiva. 2016; 21(6/Supl. 1):1839-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal Política Nacional de Saúde Bucal – Brasília (DF); 2004.

Silva CC da, Cruz MM da, Vargas EP. Práticas de cuidado e população em situação de rua: o caso do Consultório na Rua. Saúde Debate. 2015; 39(n. esp.):246–56.

Wijk LB van, Mângia EF. O cuidado a Pessoas em Situação de Rua pela Rede de Atenção Psicossocial da Sé. Saúde Debate. 2017; 41(115):1130–42.

Carneiro Junior N, Andrade MC, Luppi CG, Silveira C. Organização de práticas de saúde equânimes em atenção primária em região metropolitana no contexto dos processos de inclusão e exclusão social. Saúde Soc. 2006; 15(3):30-9.

Habibian M, Mulligan R. Dental Student’s Attitutes Toward Homeless People while providing Oral Health Care. J Dent Educ. 2010; 74(11):1190-6.

Finkler M, Caetano JC, Ramos FRS. Integração "ensino-serviço" no processo de mudança na formação profissional em Odontologia. Interface (Botucatu). 2011; 15(39):1053-70.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.