Grupos Operativos de Autoajuda Online - intervenção para Promoção de autocuidado, auto monitoramento e adesão terapêutica em Jovens Adultos(com)vivendo com HIV/AIDS em Manaus-Amazona

Eduardo Jorge SantAna Honorato

Resumo


Através da criação de um grupo operativo de autoajuda virtual, este projeto pretende avaliar a promoção de autocuidado, automonitoramento e adesão terapêutica em jovens adultos vivendo com HIV/AIDS durante 06 (seis meses), visando também analisar o custo-efetividade deste tipo de intervenção bem como, ao final, elaborar material para cursos de preparação para formação de jovens nas mais diversas localidades para darem continuidade a este tipo de intervenção. A pesquisa será de natureza quantitativa e qualitativa, com amostra de até 190 jovens adultos da Rede Nacional de Jovens Vivendo com HIV/AIDS (RNAJVA). O grupo operativo será coordenado pelo ativista e consultor Diego Calisto, membro da rede. O campo de estudo será o aplicativo gratuito Telegram, disponível para as principais plataformas de celular. Como instrumentos serão utilizados dois instrumentos validados: A - Escala para avaliar as capacidades de

autocuidado (EACAC) na versão digital e B - Questionário sócio demográfico, contendo um roteiro de questionário para autocuidado, um formulário de registro de auto-monitoramento e um balanço de vantagens e desvantagens da adesão, elaborados e indicados pelo Ministério da Saúde (2008). Estes serão hospedados em site com registro de domínio próprio com bando de dados websurvey. As informações coletadas através da EACAC serão analisadas com o STATA IC14 e as do questionário (instrumento B) utilizando a análise de conteúdo na perspectiva de Bardin (2015) . 


Palavras-chave


sexualidade; HIV

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições 70: Lisboa, 2015

BBC.UK “Infecções por HIV aumentam no Brasil; no mundo, 54% têm vírus sem saber” (Acessado em 04/04/2015)

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV/AIDS. Brasília, 130 p. 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos infectados pelo HIV : manual de bolso / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. – Brasília : Ministério da Saúde, 2008a

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Adesão ao tratamento antirretroviral no Brasil : coletânea de estudos do Projeto Atar : Projeto Atar / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.408 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde)

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para o fortalecimento das ações de adesão ao tratamento para pessoas que vivem com HIV/Aids. Brasília, 2007

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e AIDS. Manual de controle das doenças

sexualmente transmissíveis - DST - COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST/AIDS - 3a Edição – 1999

BRITO, A. M; CASTILHO, E. A. de; SZWARCWALD, C. L. AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 34, n. 2, Apr. 2001. Available from . Accesso em 05 Abr. 2015.

ELY V; TURKIENICZ B; GONTIJO L. Integração das diretrizes energéticas no processo de concepção arquitetônica. In: Del Rio V; Duarte C; Rheingantz P A (Org.). Projeto do lugar - colaboração entre Psicologia, Arquitetura e Urbanismo. Rio de Janeiro (RJ): 2002. [acessado 2005 jul 16]

FOSTER, P.C.; JANSSENS, N.P. D.E.O. In: GEORGE, J.B. et al. Teorias de Enfermagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. Cap. 7, p. 90-107.

SANTOS, W.J.; DRUMOND, E.F.; GOMES, A.S. et al. Barreiras e aspectos facilitadores da adesão à terapia antirretroviral em Belo Horizonte - MG. Rev. bras. Enferm, v. 64, n. 6, p. 1028 - 37; 2011

LEMOS A. Bodynet e Netcyborgs: Sociabilidade e Novas Tecnologias na Cultura Contemporânea, 2000. Disponível em: . Acesso em: 10 abr 2005

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo (SP): Ed. 34. 1999.

PADOIN, S.M.M.; PAULA, C.C.; ZUGE, S.S. et al. Fatores associados à não adesão ao tratamento antirretroviral em adultos acima de 50 anos que têm HIV/AIDS. DST - J bras Doenças Sex Transm, v. 23, n. 4, p. 194 - 197; 2011

PETRONILHO, D. A .C.; SILVA, J. V. Avaliação do autocuidado e locus de controle de pessoas portadoras de HIV. Monografia (Trabalho de Conclusão

de Curso)-Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá, MG, 2008. Trabalho publicado: Revista Técnico-Científica de Enfermagem, v. 8, n. 24, p. 4-9, jan/fev. 2010.

SEIDL, E.M.F. (2001). Pessoas que vivem com HIV / AIDS: Configurando relações entre enfrentamento, suporte social e qualidade de vida. Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

SILVA, J.V. & KIMURA, M. (2002). Adaptação cultural e validação do instrumento de capacidade de autocuidado do “Appraisal of self-care agency scale”. Pesquisa realizada durante o Programa de Pós-Graduação, nível de Doutorado, da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

TORRES, G.de V.; DAVIM, R.M.B.; NÓBREGA, M.M.L.da. Aplicação do processo de enfermagem baseado na teoria de OREM: estudo de caso com uma adolescente grávida. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 7, n. 2, p. 47-53, abril 1999.

WELLING L; Thomson L. PHP e MySQL: desenvolvimento web. Rio de Janeiro: Campus, 2001.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.