A formação do médico em métodos ativos: possibilidades de mudanças na sua prática profissional

Caio Vinícius da Conceição, Magali Aparecida Alves de Moraes

Resumo


No contexto de modernização da educação médica, pela qual as faculdades de medicina perpassam em vigência do lançamento das Diretrizes Curriculares Nacionais de Medicina em 2014, é necessário que o médico, além do conhecimento técnico da área, esteja apto a considerar o âmbito biopsicossocial da população, atuando com promoção e prevenção à saúde na esfera individual e coletiva, e, nesse sentido, métodos ativos de ensino e aprendizagem surgem como alternativas a fim de se garantir tais competências. Portanto, o objetivo geral deste estudo foi explorar percepções de estudantes e professores a respeito de métodos ativos para a formação médica. Este estudo é descritivo quantitativo e qualitativo e contou com a aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas para estudantes e professores. Os dados dos questionários foram dispostos em tabelas e descritos em porcentagens correspondentes, e as entrevistas transcritas para realização de análise de conteúdo, modalidade temática. Esta pesquisa remete a resultados que fazem parte de um trabalho maior, o qual foi conduzido com apoio e fomento do PIBIC/CNPQ. Os resultados encontrados demonstraram percepções convergentes de estudantes e professores, tanto na análise quantitativa quanto qualitativa referiram que no processo desencadeado em âmbito ativo são desenvolvidas habilidades de raciocínio crítico, autonomia, comunicação, interdependência positiva em relação aos colegas além do conhecimento cognitivo. Observou-se também que a partir do avanço nas séries, estudantes apresentaram concepções um pouco diferentes, expressando experiência com os métodos ativos. Assim, pode-se verificar que métodos ativos na graduação em medicina trazem benefícios cognitivos, psicossociais e motores segundo estudantes e professores, o que promove ao futuro médico a oportunidade de uma boa formação e maior possibilidade de transformar à realidade social em saúde por meio da educação.

Palavras-chave


Educação Médica, Aprendizagem Baseada em Problemas, Ensino

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 3, de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina e dá outras providências. Brasília: Ministério da Educação; 2014.

Mello CCB, Alves RO, Lemos SMA. Metodologias de ensino e formação na área da saúde: revisão de literatura. Rev CEFAC 2014; 16(6): 2015-28.

Paiva MRF, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. Sanare (Sobral, Online) 2016; 15(2): 145-53. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049/595. Acesso em 12.12.2017.

Freitas CM, et al. Uso de metodologias ativas de aprendizagem para a educação na saúde: análise da produção científica. Trab educ saúde 2015; 13(2): 117-30.

Daltro MR, Ponde MP. Aprendizagem baseada em problemas: uma estratégia para formação do psicólogo como profissional de saúde. Rev psic divers saúde 2017; 6(2): 103-13.

Borges MC, et al. Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto) 2014; 47(3): 301-7.

Rego HMC, Rodrigues JR. Methodology of problematization with the maguerez’s arch: an alternative method for teaching, research and study in dentistry. Braz dent sci 2015; 18(1): 34-43.

Guedes-Granzott RB, et al. Metodologias ativas e as práticas de ensino na comunidade: sua importância na formação do fonoaudiólogo. Distúrb comum 2015; 27(2): 369-74.

Almeira MTC. (Dissertação). Desenvolvimento docente em métodos ativos de ensino/aprendizagem na formação do médico. Escola Paulista de Medicina/UNIFESP, São Paulo. 2010.

Almeida MTC, Batista NA. Ser docente em métodos ativos de ensino-aprendizagem na formação do médico. Rev bras educ méd 2011; 35(4): 468-76.

Bolfarine H, Bussab WO. Elementos de amostragem. 3ª reimp. São Paulo: Edgard Blücher; 2012.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad saúde pública 2008; 24(1): 17-27.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Gomes R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo MCS (org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 32ª ed. Petrópolis: Vozes; 2012. p. 79-108.

Hopper MK. Assessment and comparison of student engagement in a variety of physiology courses. Adv physiol educ 2016; 40(1): 70-8.

Santana CA, Cunha NL, Soares AKA. Avaliação discente sobre a metodologia de ensino baseado em problemas na disciplina de Farmacologia. Rev bras farm 2012; 93(3): 337-40.

Pinho EM, Ferreira CA, Lopes JP. As opiniões de professores sobre a aprendizagem cooperativa. Rev diálog educ 2013; 13(40): 913-37.

Costa MJ. Trabalho em pequenos grupos: dos mitos à realidade. Medicina (Ribeirão Preto) 2014; 47(3): 308-13.

Freitas DA, et al. Saberes docentes sobre processo ensino-aprendizagem e sua importância para a formação profissional em saúde. Interface (Botucatu) 2016; 20(57): 437-48.

Gomes R, et al. Aprendizagem baseada em problemas na formação médica e o currículo tradicional de medicina: uma revisão bibliográfica. Rev bras educ med 2009; 33(3): 433-40.

Luna WF, Bernardes JS. Tutoria como estratégia para aprendizagem significativa do estudante de medicina. Rev bras educ med 2016; 40(4): 653-62.

Nunes CRR, Rolin LMG, Lopes VMM. Os primórdios da educação permanente na academia e nos serviços de saúde. In: Frascischetti I, et al. (org.) Educação permanente da academia: da teoria à prática. Curitiba: CRV; 2014. p. 17-27.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.