Experiências discriminatórias: narrativas de universitários do sul do Brasil

Ramona Fernanda Ceriotti Toassi, Alexandre Baumgarten, Giovane De Carli, Pamela Kargwanski, João Luiz Bastos, Roger Keller Celeste

Resumo


A discriminação é um fenômeno injusto, evitável e desnecessário que pode afetar negativamente a vida e a saúde das pessoas e que ainda está muito presente no cotidiano da sociedade. O objetivo deste estudo exploratório de abordagem qualitativa foi descrever experiências discriminatórias relatadas por estudantes universitários de uma capital no sul do Brasil. A produção de dados se baseou na realização de entrevistas individuais semiestruturadas, gravadas e transcritas, com estudantes de graduação vinculados a cursos com distintas relações candidato/vaga, com diversidade quanto ao sexo, idade, cor da pele/raça e etapa da formação (n=15). O material textual foi interpretado pela técnica da análise temática de conteúdo de Bardin. Experiências discriminatórias vivenciadas e/ou presenciadas estiveram presentes nos depoimentos de 14 dos 15 estudantes, os quais reconheceram a discriminação como um comportamento que expressa diferenças de tratamento em relação ao outro por determinadas características, implicando ofensa, prejuízo e exclusão social das vítimas. Nas experiências discriminatórias presenciadas, as que envolveram pessoas próximas dos estudantes, de seu núcleo familiar, foram as que mais os afetaram. Foram relatados múltiplos motivos associados à discriminação, em meio a situações nas quais os estudantes se identificaram tanto como vítimas quanto perpetradores de tratamentos injustos. O sentimento de solidariedade às vítimas da discriminação foi evidenciado pelo grupo. A universidade foi identificada como um espaço em que acontece a discriminação, especialmente por motivo sexual e por ser estudante de curso noturno. Estudos qualitativos têm potencial para contribuir com a compreensão da discriminação, auxiliando no desenvolvimento/validação de medidas quantitativas de fenômenos de ordem social. Recomenda-se novas pesquisas de abordagem qualitativa, buscando aprofundar as especificidades dos diferentes cursos de graduação quanto às experiências discriminatórias.


Palavras-chave


Discriminação Social. Educação Superior. Estudantes. Relações Interpessoais. Pesquisa Qualitativa.

Referências


Taguieff PA. O racismo. Lisboa: Instituto Piaget; 1997.

Krieger N. A glossary for social epidemiology. J Epidemiol Community Heal. 2001; 55(10):693-700.

Godoi AAMM, Garrafa V. Leitura bioética do princípio de não discriminação e não estigmatização. Saude e Sociedade. 2014; 23 (1):110-18.

Celeste RK, Bastos JL, Faerstein E. Trends in the investigation of social determinants of health: selected themes and methods. Cad Saude Publica. 2011; 27(1):183-9.

Bastos JL, Faerstein E, Celeste RK, Barros AJD. Explicit discrimination and health: development and psychometric properties of an assessment instrument. Rev Saude Publica. 2012; 46(2):269-78.

Garcia A, Souza EM. Sexualidade e trabalho: estudo sobre a discriminação de homossexuais masculinos no setor bancário. RAP. 2010; 44(6):1353-77.

Bittencourt AA, Aerts DRGC, Alves GG, Palazzo L, Monteiro L, Vieira PC, et al. Sentimento de discriminação em estudantes: prevalência e fatores associados. Rev Saude Publica. 2009; 43(2):236-45.

Silva GM, Reis EP. Perceptions of racial discrimination among black professionals in Rio de Janeiro. Lat Am Res Rev. 2011; 46(2):55-78.

Gonzales KL, Lambert WE, Rongwei F, Jacob M, Harding AK. Perceived racial discrimination in health care, completion of standard diabetes services, and diabetes control among a sample of American Indian women. Diabetes Educ. 2014; 40(6):747-55.

Currie CL, Wild C, Schopflocher DP, Laing L, Veugelers P. Racial discrimination experienced by Canadian Aboriginal university students. Can J Psychiatry. 2012; 57(10):617-25.

Gökçe AT. University students' perception of discrimination on campus in Turkey. Journal of Higher Education Policy and Management. 2013; 35(1):72-84.

Pocahy F. Um mundo de injúrias e outras violações. Reflexões sobre a violência heterossexual e homofóbica a partir da experiência do CRDH rompa o silêncio. In: Pocahy F. Rompendo o silêncio: homofobia e heterossexismo na sociedade contemporânea. Políticas, teoria e atuação. Porto Alegre: Nuances; 2007.

Parker R. Stigma, prejudice and discrimination in global public health. Cad Saude Publica. 2012; 28(1):164-9.

Bastos JL, Barros AJD, Celeste RK, Paradies YC, Faerstein E. Age, class and race discrimination: their interactions and associations with mental health among Brazilian university students. Cad saúde pública. 2014; 30(1):175-86.

Pascoe EA, Richman LS. Perceived Discrimination and Health: A Meta-Analytic Review. Psychol Bull. 2009; 135(4):531-54.

Couto PF, Goto JB, Bastos JL. Pressão arterial e discriminação interpessoal: revisão sistemática de estudos epidemiológicos. Arq Bras Cardiol. 2012; 99(4):956-63.

Williams DR, Mohammed SA. Discrimination and racial disparities in health: evidence and needed research. J Behav Med. 2009; 32(1):20-47.

Souza MVC, LemkuhlI I, Bastos JL. Discriminação e sofrimento psíquico de graduandos da Universidade Federal de Santa Catarina. Rev bras epidemiol. 2015; 18(3): 525-37.

Coelho IZ, Bastos JL, Celeste RK. moderators of the association between discrimination and alcohol consumption: findings from a representative sample of Brazilian university students. Trends Psychiatry Psychother. 2015; 37(2):72-81.

Brown CS. The Educational, Psychological, and Social Impact of Discrimination on the Immigrant Child. Washington, DC: Migration Policy Institute; 2015.

Ávila RC. Formação das mulheres nas escolas de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica. 2014; 38 (1): 142-9.

Bastos JL, Faerstein E. Discriminação e saúde: perspectivas e métodos. Rio de Janeiro:Fiocruz; 2012.

Bastos JL, Gonçalves H, Faerstein E, Barros AJD. Experiências de discriminação entre universitários do Rio de Janeiro. Rev Saude Publica. 2010; 44(1): 28-38.

Brasil. Lei n° 12711, de 29 de Agosto de 2012. Acesso em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm .

Flick, U. Introdução à Pesquisa Qualitativa. 3. ed, Porto Alegre: Artmed; 2009.

Rosa MVFPC, Arnoldi MAGC. A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismo para validação de resultados. Belo Horizonte: Autêntica; 2008.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Matthews E. Compreender Merleau-Ponty. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

Correll J, Judd CM, Park B, Wittenbrink B. Measuring prejudice, stereotypes and discrimination. In: Dovidio JF, Hewstone M, Glick P, Esses VM (Editors). The Sage handbook of prejudice, stereotyping and discrimination. London: SAGE; 2010. p. 45-62.

Oliveira CLP, Barreto PCS. Percepção do racismo no Rio de Janeiro. Estudos Afro-Asiáticos. 2003; 25(2):183-213.

Dovidio JF, Hewstone M, Glick P, Esses V. Prejudice, stereotyping, and discrimination: theoretical and empirical overview. In: Dovidio JF. The Sage Handbook of Prejudice, Stereotyping, and Discrimination. London: Sage; 2010.

Bandeira L, Batista AS. Preconceito e discriminação como expressões de violência. Estudos Feministas. 2002; 10(1):119-41.

Plous S. Understanding Prejudice and Discrimination. New York: McGraw-Hill; 2003.

Cecchetto F, Monteiro S. Discriminação, cor e intervenção social entre jovens na cidade do Rio de Janeiro (RJ, Brasil): a perspectiva masculina. Estudos Feministas. 2006; 14(1):199-218.

Shultz C, Skorcz S. African American infant mortality and the Genesee County, MI REACH 2010 initiative: an evaluation of the Undoing Racism Workshop. Soc Work Public Health. 2012; 27(6):567-603.

Soto, JA, Armenta BE, Perez CR, Zamboanga BL, Umaña-Taylor AJ, Lee RM, et al. Strength in numbers? Cognitive reappraisal tendencies and psychological functioning among Latinos in the context of oppression. Cultur Divers Ethnic Minor Psychol. 2012; 18(1): 384-94.

Lima MEO, Vala J. As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estudos de Psicologia. 2004; 9(3):401-11.

Campos ID, Stripling AM, Heesacker M. "Estoy viejo" [I'm old]: internalized ageism as self-referential, negative, ageist speech in the Republic of Panama. J Cross Cult Gerontol. 2012; 27(4):373-90.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.