Responsabilidade social do farmacêutico: scoping review

Mônica Cristina Sampaio Majewski, Thiago Rocha da Cunha

Resumo


A Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos, preconiza que os profissionais da saúde têm como dever primordial a atenção com o indivíduo e a sua comunidade, implicando o atendimento a princípios éticos. Atualmente, o Brasil vive um momento de mudança de paradigma da profissão farmacêutica, introduzindo o profissional diretamente no cuidado a saúde, prezando pelo bem estar e qualidade de vida dos pacientes, tanto na orientação correta da farmacoterapia, quanto no acompanhamento dos resultados clínicos da mesma. A presente pesquisa teve como objetivo realizar uma revisão da literatura científica no campo da bioética que aborda a responsabilidade social do farmacêutico na prática cotidiana, a fim de analisar eticamente a profissão farmacêutica. Foram aplicadas nas plataformas PubMed, Scielo, Bireme as seguintes palavras-chaves: "social responsibility" AND "pharmacists" AND "bioethics". Como foram encontrados poucos resultados partiu-se para uma nova aplicação com apenas duas palavras-chaves, "social responsibility" AND "pharmacists". Localizaram-se 125 artigos, restando 14, após análise. Foram identificadas questões pertinentes a promoção e manutenção da saúde, buscando a melhoria da qualidade de vida dos pacientes, porém, nenhuma discussão se deu dentro do escopo da bioética. Logo, os resultados da pesquisa apontaram uma possível insuficiência da literatura científica em relação à compreensão da responsabilidade ética do profissional farmacêutico na sociedade a partir de uma ótica mais ampla e interdisciplinar. A importância da discussão se dá uma vez que o papel do farmacêutico, ao considerar o problema do uso indiscriminado de medicamentos e má distribuição de recursos públicos de saúde deve assumir sua responsabilidade perante a sociedade, avaliando a utilidade de novas tecnologias, prezando pelo uso mais racional dos mesmos, buscando superar as desigualdades por meio da defesa do acesso universal a medicamentos e a cuidados de saúde de qualidade.

Palavras-chave


Serviços Comunitários de Farmácia. Bioética. Indústria Farmacêutica.

Referências


Santi LQ. Prescrição: o que levar em conta? Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica 2016; 1(14).

Pianetti GA, César, IC. Registro e autorização: atendimento aos requisitos mínimos de qualidade, eficácia e segurança. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica 2016; 1(6).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Gimenes FRE. Administração: não basta usar, é preciso conhecer a maneira correta. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica 2016; 1(18).

Konig M. Medicamentos intoxicam 27 mil pessoas por ano no Brasil. Gazeta do Povo. 2015; http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/medicamentos-intoxicam-27-mil-pessoas-por-ano-no-brasil-0gqwphwirhjk2u6x6hgb9qay4 Acesso em:05.2015

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Cuidado farmacêutico na atenção básica; caderno 1.Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Fundação Oswaldo Cruz/Centro de Informação Científica e Tecnológica/Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Casos de Intoxicação por Medicamentos por Unidade Federada, Segundo Circunstância Registrado em 2012. Brasil, 2012; http://www.fiocruz.br/sinitox Acesso em 11.2015.

Pereira ML, Nascimento MMG. Das boticas aos cuidados farmacêuticos: perspectivas do profissional farmacêutico. Rev. bras. farm. 2011; 92 (4): 245–52.

Correr CJ, Otuki MF, Soler O. Assistência farmacêutica integrada ao processo de cuidado em saúde: gestão clínica do medicamento. Rev Pan-Amaz Saude 2011; 2(3).

Chung RS, Taira DA, Noh C. Alternate Financial Incentives in Multi-tiered Formulary Systems to Improve Accountability for Outcomes. J. manag. care pharm. 2003; 9(4): 360-65.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia. Resolução 585 de 01 de abril de 2013. Diário Oficial da União. Brasília: 2013.

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organizations. Universal Declaration on Bioethics and Human Rights. [Internet]. Paris: Unesco; 2005; http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/146180E.pdf Acesso em 05.2015.

Cunha T, Lorenzo C. Bioética global na perspectiva da bioética crítica.Rev. bioét. (Impr.). 2014; 22(1): 116-25.

Porto D, Garrafa V. Bioética de intervenção: considerações sobre a economia de mercado. Bioética 2005; 13(1).

Petramale CA. Avaliação e Incorporação: do que precisamos realmente? Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica 2016; 1(8).

Arksey H, O’Malley L. Scoping studies: towards a methodological framework. Int. j. soc. res. methodol. 2003; 8(1):19-32.

Saito DYT, Zoboli ELCP. Cuidados paliativos e a atenção primária à saúde: scoping review. Rev. bioét. (Impr.). 2015; 23 (3): 593-607.

Mikeal RL, Brown TR, Lazarus HL,Vinson MC. Quality of Pharmaceutical Care in Hospitals. Am. j. hosp. pharm. 1975; 32(6): 567-74.

Pereira LRL, Freitas O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Braz. j. pharm. sci. 2008; 44(4):602-12.

Angonesi D. Dispensação farmacêutica: uma análise de diferentes conceitos e modelos. Ciênc. saúde coletiva. 2008;13(Sup):629-40.

Soares JCRS. Drug advertising directed to pharmacists in Brazil: information or sales promotion? Braz. j. pharm. sci. 2011; 47 (4): 684-92.

Rosenthal MM, Houle SK, Eberhart G, Tsuyuki RT. Prescribing by pharmacists in Alberta and its relation to culture and personality traits. Res. soc. adm. pharm. 2015; 11 (3): 401-11.

Wilbur K. Pharmacy student perceptions of public health service roles and responsibilities. Int J Pharm Pract 2011; 19: 179-84.

Kamat VR, Nyato DJ. Soft targets or partners in health? Retail pharmacies and their role in Tanzania's malaria control program. Soc. sci. med. 2010; 71 (3): 626-33.

Grabenstein JD. Pharmacists as vaccine advocates: roles in community pharmacies, nursing homes, and hospitals. Vaccine. 1998; 16 (18): 1705-10.

Correr CJ, Melchiors AC, Otuki MF. A Prática Farmacêutica na Farmácia Comunitária. Porto Alegre: [s.n.];2013.

Petris AJ. Acesso a medicamentos para tratamento de fatores de risco cardiovascular [monografia]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina; 2014.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia. Resolução 586 de 29 de agosto de 2013. Diário Oficial da União. Brasília: 2013.

Hepler CD, Strand LM. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. Am. j. hosp. pharm. 1990; 47 (3): 533-43.

Planas LG, Kimberlin CL, Segal R, Brushwood DB, Hepler CD, Schlenker BR. A pharmacist model of perceived responsibility for drug therapy outcomes. Soc. sci. med. 2005; 60: 2393-2403.

Hanlon TRG, Weiss MC, Rees J. British community pharmacists’ views of physician-assisted suicide (PAS). J. med. ethics. 2000; 26: 363-69.

Wicclair MR. Pharmacies, pharmacists, and conscientious objection. Kennedy inst. ethics j. 2006; 16(3): 225-50.

Aarons DE. Ethics, liabilities and licensing to practice. West Indian med. j. 2007; 56(03): 208-12.

Richman KA. Pharmacist and the Social Contract. Am J Bioeth 2007; 7(6): 15-36.

Cooper RJ. Solo doctors and ethical isolation. J. med. ethics. 2009; 35:692-95.

Collister D, Rigatto C, Hildebrand A, Mulchey K, Plamondon J, Sood MM, Reslerova M, Arsenio J, Coudiere R, Komenda P. Creating a model for improved chronic kidney disease care: designing parameters in quality, efficiency and accountability. Nephrol. dial. transplant. 2010; 25: 3623-3630.

Brodie DC. Pharmacy's societal purpose. Am. j. hosp. pharm. 1981; 38(12): 1863-6.

Serafin C, Júnior DC, Vargas M. Perfil do farmacêutico no Brasil: relatório. Conselho Federal de Farmácia, 2015.

Angell, M. A Verdade Sobre os Laboratórios Farmacêuticos. 3ed.Brasil: Editora Record; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Câmara dos Deputados/ Centro de Documentação e Informação. Brasília, 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução da Diretoria Colegiada / RDC nº 16 de 02 de março de 2007. Diário Oficial da União. Brasília: 2007.

Guttier MC, Silveira MPT, Luiza VL, Bertoldi AD. Percepção, conhecimento e uso de medicamentos genéricos no Sul do Brasil: o que mudou entre 2002 e 2012? Cad. Saúde Pública 2016; 32(7):e00070215.

Boing AC, Bertoldi AD, Boing AF, Bastos JL, Peres KG. Acesso a medicamentos no setor público: análise de usuários do Sistema Único de Saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública 2013; 29(4):691-701.

Garcia LP, Magalhães LCG, Sant’Anna AC, Freitas LRS, Aurea AP. Dimensões do acesso a medicamentos no brasil: perfil e desigualdades dos gastos das famílias, segundo as pesquisas de orçamentos familiares 2002-2003 e 2008-2009. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. - Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 1990-2013

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Nota oficial: CFM se manifesta contra o exercício ilegal da medicina. Brasília: 2016.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia. Nota aos farmacêuticos e à sociedade. Brasília: 2016.

Filho MM. Uma abordagem bioética do Sistema Único de Saúde. Revista Espaço Acadêmico 2010; 109: 129-138.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.