Cuidado e escuta: análise da relação médico e usuário a partir do Programa Mais Médicos no município de Florianópolis e Joinville

Carlos Alberto Severo Garcia Jr., Marta Verdi, Marcia Grisotti

Resumo


O acesso à saúde da população brasileira é um tema de debate recorrente. No Brasil, com a implementação do Programa "Mais Médicos" (PMM) no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2013, tem-se evidência sobre o atendimento das demandas dos usuários em territórios em situação de vulnerabilidade e a tensão em relação aos obstáculos ao acesso da população aos serviços de saúde. Esse contexto tenta reduzir a insuficiência do acesso que torna necessário o debate do papel da Atenção Primária à Saúde (APS) na coordenação do cuidado. O presente artigo analisa as experiências vivenciadas no cuidado e na escuta no âmbito do PMM, sob o olhar da população, levando em consideração o contexto de vulnerabilidade social à qual está submetida. A pesquisa foi desenvolvida em dez (10) unidades de saúde nos municípios de Florianópolis e Joinville, ao longo do primeiro trimestre de 2015. Foram realizadas entrevistas em profundidade, com amostra de treze sujeitos atendidos por doze médicos vinculados ao PMM nos respectivos municípios. No processo de análise os resultados foram apresentados em três eixos temáticos: processo de comunicação na relação médico e usuário, escuta como evidência de atenção e medicalização da saúde. Conclui-se que a experiência da relação médico e usuário a partir do Programa Mais Médicos no município de Florianópolis e de Joinville reafirma a importância do cuidado e da escuta na garantia do direito das populações com acesso restrito ao atendimento médico no SUS e o reconhecimento da micropolítica do trabalho vivo e da tecnologias relacionais em saúde.


Palavras-chave


Atenção Primária; Programa Mais Médicos; Relação médico-paciente; Medicina de Família e Comunidade; Cuidado em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretária de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional da Atenção Básica. Brasília: MS; 2012.

Garcia Júnior CAS (Tese) Médicos Cubanos e Usuários do Sistema Único de Saúde: Análise da Produção de Vínculos a partir do Programa “Mais Médicos". Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas/UFSC, Florianópolis. 2016.

Merhy EE. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor saúde. Interface (Botucatu) 2000; 4(6): 109-16.

Foucault M. A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3. ed. São Paulo: Martins Fontes; 2010.

Camargo Jr KR. (Ir)racionalidade médica: os paradoxos da clínica. Physis 1992; 2(1): 203-28.

Cutolo LRA. (Tese). Estilo de pensamento em educação médica um estudo do Currículo do curso de graduação em Medicina da UFSC. Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2001.

Canguilhem G. Escritos sobre a medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2005.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 4. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária: as bases para sua operacionalização na relação médico-paciente. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2015; 10 (35): 1-10.

Castiel LD. A medida do possível... saúde, risco e tecnobiociências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1999




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.