Integralidade na atenção terciária: percepções de equipe multiprofissional e estudantes de medicina

Marina Bertone Buck

Resumo


Para oferecer uma assistência de qualidade e que corresponda às necessidades da população, foram elaboradas pelo Ministério da Saúde diretrizes como a da integralidade, visando também garantir o acesso dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) aos serviços de diferentes complexidades, bem como uma compreensão do ser humano em sua totalidade, considerando suas inseparáveis dimensões biopsicossociais. Nesse sentido, questiona-se qual a concepção e a prática que os estudantes de medicina e profissionais de equipe multiprofissional que atuam na atenção terciária do SUS possuem sobre a integralidade? Para isso, foi realizada uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa, em uma Faculdade de Medicina e em Hospitais Públicos de uma cidade do interior do Estado de São Paulo. Para a coleta de dados foram utilizadas entrevistas semiestruturadas e realizada análise de conteúdo temática. Os resultados apontam que tanto os estudantes como os profissionais possuem uma aproximação com a temática do cuidado integral, conhecendo seu conceito e também os elementos que se relacionam com essa prática em saúde, bem como, reconhecem que a prática com o cuidado integral apresenta avanços e dificuldades. Considera-se que este estudo  pode fornecer subsídios para os gestores da academia e dos serviços aprimorarem as práticas em saúde na perspectiva da integralidade.


Palavras-chave


Integralidade em saúde; Equipe de assistência ao paciente; Internato e residência; Assistência hospitalar.

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4a ed. Brasília; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadores_sus.pdf. Acesso em: 15.03.2016.

Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 8a ed. Rio de Janeiro: UERJ, IMS, ABRASCO; 2006. p. 43-68.

Gomes RS, Silva FH, Pinheiro R, et al. Integralidade como princípio ético e formativo: um ensaio sobre os valores éticos para estudos sobre o trabalho em equipe na saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, Barros MEB (org.). Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro (RJ): CEPESC: ABRASCO; 2010. p. 19-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Atenção hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_hospitalar.pdf. Acesso em: 15.02.2016.

Merhy EE, Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: Mandarino ACS, Gomberg E (org.). Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristóvão: UFS; 2009. p. 29-74.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Saúde. Câmara de Ensino Superior. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 23 jun 2014; Seção 1:8-11. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=8&data=23/06/2014. Acesso em: 15.11.2015.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13a ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Lakatos EM, Marconi MA. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 13 jun 2013; Seção 1:59. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em:10.09.2014.

Faculdade de Medicina de Marilia. Relatório de atividades 2015. Marília: Faculdade de Medicina de Marilia; 2015. Disponível em: http://www.famema.br/institucional/documentos/docs/Rel%20Famema%20Corrigido%202015.pdf. Acesso em: 10.01.2016.

Mattioni FC, Budó MLD, Schimith MD. O exercício da integralidade em uma equipe da Estratégia de Saúde da Família: saberes e práticas. Texto Contexto Enferm 2011;20(2):263-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n2/a07v20n2.pdf. Acesso em: 12.04.2016.

Viegas SMF, Penna CMM. A construção da integralidade no trabalho cotidiano da equipe saúde da família. Esc Anna Nery Rev Enferm 2013;17(1):133-41. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n1/19.pdf. Acesso em: 18.03.2015.

Cecílio LCO, Merhy EE. A integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar. São Paulo: Hucitec; 2003.

Gomes LN, Koifman L. A integralidade pelos alunos do internato em clínica médica da UFF. Rev Bras Educ Med 2012;36(4):506-15. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v36n4/09.pdf. Acesso em: 10.06.2016.

Soares MOM, Higa EFR, Passos AHR, et al. Reflexões contemporâneas sobre anamnese na visão do estudante de medicina. Rev Bras Educ Med 2014;38(3):314-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v38n3/05.pdf. Acesso em: 17.04.2016.

Fernandes HN, Thofehrn MB, Porto AR, et al. Relacionamento interpessoal no trabalho da equipe multiprofissional de uma unidade de saúde da família. Rev Pesqui Cuid Fundam 2015;7(1):1915-26. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3361/pdf_1429. Acesso em: 10.03.2016.

Saar SRC, Trevizan MA. Papéis profissionais de uma equipe de saúde: a visão de seus integrantes. Rev Latinoam Enferm 2007;15(1):106-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n1/pt_v15n1a16.pdf. Acesso em:13.06.2016.

Nogueira JWS, Rodrigues MCS. Comunicação efetiva no trabalho em equipe em saúde: desafio para a segurança do paciente. Cogitare Enferm 2015;20(3):636-40. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/40016. Acesso em: 13.06.2016.

González AD, Almeida MJ. Integralidade da saúde: norteando mudanças na graduação dos novos profissionais. Cienc Saúde Coletiva 2010;15(3):757-62. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n3/v15n3a18.pdf. Acesso em: 15.03.2016.

Almeida RT, Ciosak SI. Comunicação do idoso e equipe de saúde da família: há integralidade? Rev Latinoam Enferm 2013;21(4):884-90. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n4/pt_0104-1169-rlae-21-04-0884.pdf. Acesso em: 16.04.2016.

Universidade Federal do Maranhão, Universidade Aberta do SUS. Redes de atenção à saúde: a atenção à saúde organizada em redes. São Luís (MA): UNA-SUS/UFMA; 2015. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/bitstream/handle/ARES/2444/UNIDADE_1.pdf?sequence=1. Acesso em: 01.06.2016.

Organização Mundial da Saúde. Constituição da Assembleia Mundial da Saúde, adotada pela Conferência Sanitária Internacional. Nova York: OMS; 1946/1948. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html. Acesso em: 01.06.2016.

Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 8a ed. Rio de Janeiro: UERJ, IMS: ABRASCO; 2006. p. 117-30.

Camelo SHH. O trabalho em equipe na instituição hospitalar: uma revisão integrativa. Cogitare Enferm 2011;16(4):734-40. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/19977. Acesso em: 15.03.2016.

Oliveira NES, Oliveira LMAC, Lucchese R, et al. Humanização na teoria e na prática: a construção do agir de uma equipe de enfermeiros. Rev Eletrônica Enferm 2013;15(2):334-43. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v15/n2/pdf/v15n2a04.pdf. Acesso em: 13.04.2016.

Gelbcke FL, Matos E, Sallum NC. Desafios para a integração multiprofissional e interdisciplinar. Tempus Actas Saúde Coletiva 2012;6(4):31-9. Disponível em: http://www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/1202. Acesso em: 11.04.2015.

Severo SB, Seminotti N. Integralidade e transdisciplinaridade em equipes multiprofissionais na saúde coletiva. Cienc Saúde Coletiva 2010;15(1):685-98. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v15s1/080.pdf. Acesso em: 13.08.2016.

Ferreira RC, Varga CRR, Silva RF. Trabalho em equipe multiprofissional: a perspectiva dos residentes médicos em saúde da família. Cienc Saúde Coletiva 2009;14(1):1421-8. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v14s1/a15v14s1.pdf. Acesso em: 15.03.2016.

Azevedo BMS, Ferigato S, Souza TP, et al. A formação médica em debate: perspectivas a partir do encontro entre instituição de ensino e rede pública. Interface Comun Saúde Educ 2013;17(44):187-99. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/2012nahead/aop5412.pdf. Acesso em: 12.06.2016.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.