Colaboração Interprofissional na Estratégia de Saúde da Família: uma revisão integrativa

Guilherme Frederico Abdul Nour, Renata Juliana Pereira de Moraes Trindade, Maria Socorro de Araújo Dias, Maria Adelane Monteiro da Silva, Luis Achilles Rodrigues Furtado, Maristela Inês Osawa Vasconcelos

Resumo


O estudo objetivou analisar as produções científicas acerca da Colaboração Interprofissional na Estratégia Saúde da Família. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizado entre os meses de setembro a dezembro de 2016, nas seguintes bases de dados: LILACS, MEDLINE, SCiELO e BDENF. Foram utilizados os seguintes descritores controlados: Relações Interprofissionais e Atenção Primária à Saúde. Também utilizou-se a palavra-chave Colaboração Interprofissional. O levantamento inicial nas bases de dados geraram 521 artigos relacionados ao estudo. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão previamente definidos, obteve-se uma amostra final de 08 produções. Após análise das produções selecionadas foram organizadas duas categorias temáticas a fim de facilitar a análise e o entendimento, a saber: “O apoio matricial pelo NASF” e “Desafios no trabalho em equipe”. O estudo concluiu que as publicações referentes à colaboração interprofissional na ESF trazem principalmente o NASF e o apoio matricial como as formas de realização da colaboração interprofissional, além das relações interprofissionais como facilitadoras ou dificultadoras nesse processo.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Colaboração Interprofissional; Relações interprofissionais; Relações interpessoais; Comportamento colaborativo

Referências


– Matuda CG. Cooperação Interprofissional: percepções de profissionais da Estratégia Saúde da Família no município de São Paulo [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

- Araújo EMD, Galimbertti, PA. (2013). A colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família. Psicologia & Sociedade. 2015.25(2), 461-468.

- Rocha FAA, Barreto ICHC, Moreira AEMM. La colaboración interprofesional entre directivos, maestros y profesionales de la salud de la familia: un estudio de caso. Interface (Botucatu). 2016. 20(57):415-26.

- Who. Marco para ação em Educação Interprofissional e prática colaborativa, 2010. Disponível em: http://www.who.int/hrh/nursing_midwifery/en/

– Matuda CG, et al . Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro. 2015. 20(8): 2511-2521.

- Campos GWS. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2007; 23(2):399-407.

- Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008. 17(4):758-64.

- Matuda CG, Aguiar DML. Cooperação interprofissional e a Reforma Sanitária no Brasil: implicações para o modelo de atenção à saúde. Rev. Saúde Soc. São Paulo. 2013. 22(1):173-186.

– Fernandes HN, et al. Relacionamento interpessoal no trabalho da equipe multiprofissional de uma unidade de saúde da família. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online) 2015. 7(1):1915-26.

- Lanzoni GMM, Pestana AL, Senna MH, Meirelles BHS. O contexto da rede de relações e interações do agente comunitário de saúde. Cogitare Enferm. 2013. 18(3):439-45

- Ellery AEL. Interprofissionalidade na Estratégia Saúde da Família: condições de possibilidade para a integração de saberes e a colaboração interprofissional [tese]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2012.

- Castro CP, Campos GWS. Apoio Matricial como articulador das relações interprofissionais entre serviços especializados e atenção primária. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro.2016. 26(2):455-481.

- Lanzoni GMM, Meirelles BHS. A rede de relações e interações da equipe de saúde na Atenção Básica e implicações para a enfermagem. Acta Paul Enferm. 2012. 25(3):464-70.

- Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

- Silva E, Menezes EM. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação, UFSC, 4. ed. Ver. Atual. Florianópolis 2005.

– Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. –Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 152 p. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Caderno de Atenção Básica, n. 27.

- Campos, GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Rev. Ciência & Saúde Coletiva. 1999. 4(2):393-403.

– Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde Matrix support and reference team: a methodology for interdisciplinary. Cad. saúde pública, 2007. 23(2): 399-407.

- Fortuna CM, Mishima SM, Matumoto S, Pereira MJB. O trabalho em equipe no Programa saúde da Família: Reflexões a partir de conceitos do processo grupal e de grupos operativos. Rev Latino-am Enfermagem. 2005. 13(2):262-8

- D’Amour D, Ferrada VM, San Martın RL, Beaulieu MD. Conceptual basis for interprofessional collaboration: core concepts and theoretical frameworks. J Interprof Care. 2005; 19 Supl 1:116-31.

- Francischini AC, Moura SDR, Chinellato M. A importância do trabalho em equipe no Programa Saúde da Família. Rev. Investigação. 2008. 8 (1):25–32.

- D’Amour, D. et al. (2008). A model and typology of collaboration between professionals in healthcare organizations. BMC Health Services Research, 8, 188.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.