Crenças de Portadores de Pé Diabético sobre Corpo, Doença e Tratamento: uma Análise Psicossocial

Luiz Gustavo Silva Souza, Laila Lilargem Rocha, Luciane Pessanha de Souza, Maklaine Pessanha do Rosário, Nayara Avila dos Santos, Stephanie de Oliveira Palácio, Thaís Angélica da Silva

Resumo


O pé diabético é uma complicação do Diabetes mellitus particularmente danosa e pode culminar com amputações dos membros inferiores. O objetivo desta pesquisa foi investigar crenças construídas por portadores de pé diabético sobre corpo, doença e tratamento. Foram aplicadas entrevistas semiestruturadas com 20 usuários de um Centro de Referência, 10 mulheres e 10 homens. A análise de conteúdo temática foi utilizada para tratamento dos dados, interpretados com auxílio da Teoria das Representações Sociais. Constatou-se a percepção de um “corpo doente” como objeto biomédico destinado ao tratamento e como portador de uma deficiência. Nem sempre o Diabetes foi reconhecido como uma causa do “problema no pé”. Os usuários identificavam, entre outras,  causas derivadas da experiência cotidiana como fatores interpessoais, afetivos e psicológicos. Eles descreviam o tratamento como processo centrado mais nos profissionais que nos usuários. Usuários destacaram a recomendação de “repouso” como grande dificuldade do tratamento. Discute-se a importância de fomentar a clínica ampliada no tratamento do pé diabético, de considerar as teorias de senso comum e as necessidades cotidianas dos usuários nos encontros clínicos.


Palavras-chave


Pé Diabético; Serviços de Saúde; Integralidade em Saúde; Apoio Social

Referências


Brasil. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Consenso internacional sobre pé diabético (Tradução de: International consensus on the diabetic foot). Brasília: Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal; 2001.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Tratamento e acompanhamento do Diabetes mellitus. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Rio de Janeiro: SBD; 2006.

Schaper NC, Apelqvist J, Bakker K. The international consensus and practical guidelines on the management and prevention of the diabetic foot. Curr. diab. rep. 2003; 3(6): 475-9.

Coelho MS, Silva DMGV, Padilha MIS. Representações sociais do pé diabético para pessoas com Diabetes mellitus tipo 2. Rev. esc. enferm. USP 2009; 43(1): 65-71.

Salomé GM, Blanes L, Ferreira LM. Avaliação de sintomas depressivos em pessoas com Diabetes mellitus e pé ulcerado. Rev. col. bras. cir. 2011; 38(5): 327-33.

Cisneros LL, Gonçalves, LAO. Educação terapêutica para diabéticos: os cuidados com os pés na realidade de pacientes e familiares. Ciênc. saúde coletiva 2011; 16(Supl. 1): 1505-14.

Figueira ALG, et al. Percepção do apoio social pela pessoa com Diabetes mellitus e úlceras nos pés. Acta paul. enferm. 2012; 25(n. especial 1): 20-6.

Barbui EC, Cocco MIM. Conhecimento do cliente diabético em relação aos cuidados com os pés. Rev. esc. enferm. USP 2002; 36(1): 97-103.

Cubas MR, et al. Pé diabético: orientações e conhecimento sobre cuidados preventivos. Fisioter. mov. 2013; 26(3): 647-55.

Moscovici S. Representações sociais. Investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes; 2007.

Herzlich CA. A problemática da representação social e sua utilidade no campo da doença. Physis 2005; 15(Supl.): 57-70.

Pope C, Ziebland S, Mays N. Analisando dados qualitativos. In: Pope C, Mays N. (Orgs.). Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 2 ed. Porto Alegre: Artmed; 2005. 87-99.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

Cavalcanti CCTJ, Lefèvre, F. O resgate da interpessoalidade e a apropriação dos cuidados ao próprio corpo. Saúde transform. soc. 2015; 6(3): 9-15.

Separavich MA, Canesqui AM. Girando a lente socioantropológica sobre o corpo: uma breve reflexão. Saúde soc. 2010; 19(2): 249-59.

Goldenberg M. Gênero e corpo na cultura brasileira. Psicol. clín. 2005; 17(2): 65-80.

Borges GF, Borges GF. O corpo como um objeto de construção humana. Saúde transform. soc. 2011; 2(1): 114-20.

Spink MJP. Clientes, cidadãos, pacientes: reflexões sobre as múltiplas lógicas de cuidado na atenção à saúde. Saúde soc. 2015; 24(Supl. 1): 115-23.

Cunha GT. A construção da clínica ampliada na Atenção Básica. São Paulo: Hucitec; 2005.

Costa JA, et al. Promoção da saúde e diabetes: discutindo a adesão e a motivação de indivíduos diabéticos participantes de programas de saúde. Ciênc. saúde coletiva 2011; 16(3): 2001-9.

Seidl EMF, Trocolli BT, Zannon CMLC. Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicol. teor. pesqui. 2001; 17(3): 225-34.

Dejours C. Por um novo conceito de saúde. Rev. bras. saúde ocup. 1984; 54: 7-11.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.