A interface entre Saúde Mental e Vulnerabilidade Social

Carolina Francielle Tonin, Tatiane Muniz Barbosa

Resumo


Esta pesquisa objetivou conhecer o entendimento dos profissionais da Atenção Primária a Saúde, de uma unidade de saúde num município do interior de SC, sobre a interface entre Saúde Mental e Vulnerabilidade Social. O projeto de pesquisa foi apreciado pelo CEP/UNIPLAC, com parecer aprovado nº 721.689. A coleta de dados aconteceu por meio de entrevista semiestruturada, com aplicação do TCLE, com dez profissionais de equipes de ESF e NASF. Os dados, tratados por meio de análise de conteúdo, indicaram que os profissionais de saúde compreendem a saúde mental integrante da saúde “geral” e acreditam que a falta de educação formal, desconhecimento dos serviços da rede, estresse e desemprego são fatores que influenciam no sofrimento psíquico. Quanto à vulnerabilidade social, relacionaram com a questão econômica e a descreveram como falta de condições de saneamento básico, moradia, escolaridade e autonomia. Os profissionais veem relação entre Saúde Mental e Vulnerabilidade Social, pois, a exposição das pessoas a situações de vulnerabilidade social e risco de sofrimento psíquico não é resultante apenas de aspectos individuais, mas, coletivos. Percebe-se que o cuidado em saúde mental aparece fragmentado; contudo, os profissionais de saúde têm buscado considerar novas estratégias para lidar com esta, bem como em relação à vulnerabilidade social, através de um trabalho multiprofissional, voltado às necessidades das famílias. Ainda é evidente uma prática assistencialista, quando se faz necessário criar condições para que estas famílias se conscientizem e se tornem protagonistas de suas vidas.


Palavras-chave


Vulnerabilidade Social; Atenção Primária à Saúde; Saúde Mental

Referências


BATISTA, AAG; CARVALHO-SILVA, HH. Família, escola, território vulnerável. São Paulo: CENPEC, 2013, 242p.

BEZERRA JÚNIOR B, et al. Cidadania e loucura: políticas de saúde mental no Brasil. 7.ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.

NEVES MP. Sentidos da vulnerabilidade: características, condição, princípio. RBB 2006; v.2, n.2: p.157-172.

GUARESCHI N; BERNARDES, AG, et al. A Vulnerabilidade social e o programa Hospital-dia: uma discussão sobre as políticas públicas em Saúde Mental. Rev Cienc Humanas 2006; n.40: p.299-316.

PADOIN IG;VIRGOLIN IWC. A vulnerabilidade social como uma dificuldade a participação política. In: XV Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e extensão. Cruz-Alta: UNICRUZ, 2010. Disponível em http://www.unicruz.edu.br/15_seminario/seminario_2010/CCSA/A%20VULNERABILIDADE%20SOCIAL%20COMO%20UMA%20DIFICULDADE%20A%20PARTICIPA%C3%87%C3%83O%20POL%C3%8DTICA.pdf Acesso em 18.05.2013.

GRANA L; BASTOS AG. Vulnerabilidade Social: o psicodiagnóstico como método de mapeamento de doenças mentais. Psic. Ciência e profissão 2010; v.30, n.3: p. 650-661.

SÁNCHEZ AIM; BERTOLLOZZI MR. Pode o conceito de vulnerabilidade apoiar a construção do conhecimento em Saúde Coletiva? Ciênc e saúde coletiva 2007; v.12 n.2:p.319-324.

FREIRE,P. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez e Moraes, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2013.

MINAYO MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Abrasco, 2013.

LOPES MJM; LEAL SMC. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu, 2005.

FERNANDES JS; MIRANZI SSC, et al. A relação dos aspectos profissionais na qualidade de vida dos enfermeiros das equipes saúde da família. Rer Esc Enferm 2012, v. 46 n.2: 404-12.

SCLIAR M. A história do conceito de saúde. Rev Saúde Coletiva 2007, v17 n.1:29-41.

BATISTELLA C. Abordagens Contemporâneas do Conceito de Saúde. In: FONSECA AF; CORBO AA (Org.). O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007. 266p.

AMARANTE P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde Mental: caderno de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 176p.

BARBOSA TM; MELO A; TONIN CF. (Monografia) Os estilos de pensamento de professores da saúde sobre Saúde Mental. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Psicologia da Universidade do Planalto Catarinense. Lages:UNIPLAC, 2012.

ARREGUI CC; WANDERLEY MB. A vulnerabilidade social é atributo de pobreza? Serv Soc Soc 2009,n.96, p.143-165.

AYRES JRCM, et al. Risco, vulnerabilidade e práticas de prevenção e promoção de saúde. In: CAMPOS, G.W.S. et al. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Editora Hucitec, 2012.

HOGAN DJ; MARANDOLA JÚNIOR E. Para uma conceituação interdisciplinar da vulnerabilidade. In.: CUNHA JMP (Org.) Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Núcleo de Estudos de População, 2006.

AYRES JRCM; FRANÇA JÚNIOR I, et al. O conceito de vulnerabilidade social e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, D. ; FREITAS, C.M. Promoção de saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2014.

SILVEIRA LC; BRAGA VAB. Acerca do conceito de loucura e seus reflexos na assistência de saúde mental. Rev Latino-Am. Enfermagem 2005, vol13,n4.

AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da Reforma Psiquiátrica. Caderno de Saúde Pública 1995. v11, n3: p.491-494.

BADZIAK RPF; MOURA VEV. Determinantes sociais da saúde: um conceito para efetivação do direito à saúde. R Saúde Pública 2010. v 3, n1.

CASTELLS M. O poder da identidade: a era da informação – economia, sociedade e cultura. São Paulo: Editora Paz e Terra S.A, 2001.

SLUZKI CE. A rede social na prática sistêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

BANDEIRA M; BARROSO SM. Sobrecarga das famílias de pacientes psiquiátricos. J bras psiquiatr 2005. vol54, n1:34-46.

STARFIELD B. Atenção primária: equilíbrio, entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2004.

ABRAMOVAY M; CASTRO MG, et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO, BID, 2002.

PATRIOTA LM. Saúde Mental, Reforma Psiquiátrica e formação profissional. In: Jornada Internacional de Políticas Públicas. João Pessoa: UFP, 2011.

CAVALHEIRO TP; GUIMARÃES AL. Formação para o SUS e os desafios da integração Ensino e Serviço. Caderno FNEPAS, 2011.

RIBEIRO SL; LUZIO CA. As diretrizes curriculares e a formação do psicólogo para a saúde mental. Psicologia em Revista 2008. v14, n2: p.203-220.

TANAKA OY; RIBEIRO EL. Ações de saúde mental na Atenção Básica: caminho para ampliação da integralidade da atenção. Rev Cienc e Saúde Col 2009,v.14,n.2:477-486.

SOUZA AC; RIVERA FJU. A inclusão das ações de saúde mental na Atenção Básica: ampliando possibilidades no campo da saúde mental. Rev Tempus Actas Saúde Col 2010. v.4 n.1:105-14.

SILVEIRA ER. Práticas que integram a saúde mental à saúde pública: o apoio matricial e a interconsulta. Ciência e Saúde Coletiva 2012. v.17.n.9: 2377-2386.

SILVEIRA DP; VIEIRA ALS. Saúde Mental e atenção básica em saúde: análise de uma experiência no nível local. Ciência e Saúde Coletiva 2009, v.14.n.1:139-148.

CHIAVERINI DH (Org.). Guia Prático de matriciamento em Saúde Mental. Brasília, DF: Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva, 2011.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.