Revisitando a tese - Sexualidades femininas e prazer sexual: uma abordagem de gênero

Olga Regina Zigelli Garcia

Resumo


Trata-se de um ensaio resultante de uma revisita a uma tese de doutorado defendida pela autora em 2007, no qual a mesma faz um novo recorte em seu trabalho de análise sobre sexualidades femininas e prazer sexual. No novo recorte a autora deteve-se apenas nas diferenças entre os relatos de práticas homo e heterossexuais das mulheres, ainda com uma abordagem de gênero. Com este novo olhar constata que sua tese apontava, já em 2007, mas não enfatizava, que mulheres com práticas homossexuais têm menos problemas sexuais do que aquelas com práticas heterossexuais. Esta mesma constatação foi  amplamente divulgada nos meios científicos e midiáticos pelo Instituto Kinsey em 2014 a partir de uma pesquisa por este renomado Instituto realizada que constatou que lésbicas chegam com mais facilidade ao orgasmo com suas parceiras do que as mulheres heterossexuais. A congruência do estudo da autora com o realizado pelo Instituto Kinsey leva a mesma a refletir que precisamos enquanto academia, resgatar o nosso poder de gerar e não apenas sistematizar novos conhecimentos. Por fim, constata ainda a autora que, passados 10 anos de seu primeiro estudo, o relato das práticas sexuais das mulheres se mantém, evidenciando que o exercício da sexualidade pelas mulheres com práticas heterossexuais ainda é permeado por conflitos originados nas questões relativas às construções de gênero, à identidade e à sua visão heteronormativa, apesar de ser inegável que na atualidade vivemos um incessante estímulo à expansão do desejo sexual e a busca da liberdade individual, contexto esse que continua conferindo as mulheres com prática homossexual maior nível de satisfação sexual.


Palavras-chave


Sexualidade. Mulheres. Gênero

Texto completo:

PDF/A


Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.