Teste de usabilidade clássico vs. lean UX test: aplicabilidade dos métodos de avaliação

Daniela Gobbo

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar as semelhanças e diferenças na aplicabilidade de testes de usabilidade clássicos de laboratório e métodos lean de avaliação de produto. Após uma revisão bibliográfica de ambos, apresenta-se um estudo de caso onde um mesmo produto foi avaliado por meio de um teste clássico e, em outro momento, por meio de um método lean. Em seguida, foi feita uma entrevista com a equipe de desenvolvimento do produto testado para avaliar os benefícios e a aplicabilidade de cada método. Esses três estudos permitiram concluir que os dois métodos são aplicáveis em contextos diferentes, mas ambos são válidos e produzem resultados valiosos para o desenvolvimento de um produto. O teste clássico traz resultados mais robustos com métricas de eficácia, eficiência e satisfação, enquanto métodos lean trazem, em menos tempo, resultados de aspectos específicos da experiência de uso.


Palavras-chave


Teste de Usabilidade; Lean UX; Método Ágil; Avaliação com Usuários.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9241-11: Requisitos Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com Computadores, Parte 11 - Orientações sobre Usabilidade. Rio de Janeiro: [s.n.], 2002.

BANK, C.; CAO, J. The Guide to Usability Testing. Mountain View: UXPin, 2014.

BECK, K. et al. Manifesto for Agile Software Development. Agile Manifesto, 2001. Disponivel em: . Acesso em: 3 Junho 2017.

BROWN, T. Design Thinking. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CHISNELL, D. Quick and Dirty Usability Testing: Step away from the Book. User Interface Engineering, North Andover, Outubro 2008.

GOODMAN, E.; KUNIAVSKY, M.; MOED, A. Observing the User Experience: A Practitioner's Guide to User Research. Waltham: Elsevier, 2012.

GOTHELF, J. Lean UX. Sebastopol: O'Reilly Media, 2013.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO/TR 16982: Ergonomics of human-system interaction - Usability methods supporting human-centred design. International Organization for Standardization. Geneva, p. 44. 2002.

JEFFRIES, R. et al. User Interface Evaluation in the Real-World: A Comparison of Four Techniques. CHI '91 Proceedings of the SIGCHI Conference on Human Factors in Computing Systems, New Orleans, 2 Maio 1991. 119-124.

JONES, D. T.; RICH, N.; HINES, P. A. Lean Logistics. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v. 27, 1997. 153-173.

KLEIN, L. UX for Lean Startups. Sebastopol: O'Reilly Media, 2013.

KRINGS, D.; LEVINE, D.; WALL, T. The Use of "Lean" in Local Government. ICMA Public Management Magazine, Cincinnati, v. 88, n. 8, Setembro 2006.

KRUG, S. Rocket Surgery Made Easy: The Do-It-Yourself Guide to Finding and Fixing Usability Problems. Berkeley, CA: New Riders, 2010.

KRUG, S. Não me faça pensar: atualizado. Rio de Janeiro: Alta Books, 2014.

LEWIS, J. R. Legitimate Use of Small Samples in Usability Studies: Three Examples. IBM Human Factors. Boca Raton, p. 20. 1991.

LIIKKANEN, L. A. et al. Lean UX - The Next Generation of User-Centered Agile? NordiCHI '14, Helsinki, 26 Outubro 2014.

MYERSON, P. A. Lean Retail and Wholesale. 1ª. ed. [S.l.]: McGraw-Hill Education, 2014.

NIELSEN, J. Why you only need to test with 5 users. Nielsen Norman Group, 2000. Disponivel em: . Acesso em: 2 Junho 2017.

RIES, E. The Lean Startup. New York: Crown Business, 2011.

ROHRER, C. When to Use Which User-Experience Research Methods. Nielsen Norman Group, 2014. Disponivel em: . Acesso em: 7 Junho 2017.

RUBIN, J.; CHISNELL, D. Handbook of Usability Testing: How to Plan, Design, and Conduct Effective Tests. 2 ed. ed. Indianapolis: Wiley Publishing Inc., 2008.

TULLIS, T.; ALBERT, B. Measuring the User Experience. Burlington: Elsevier, 2008.

U.S. DEPT. OF HEALTH AND HUMAN SERVICES. Usability Evaluation Basics. Usability.gov, s.d. Disponivel em: . Acesso em: 29 Maio 2017.

WOMACK, J. P.; JONES, D. T. Lean Thinking. New York: Free Press, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

indexadores