Cidades criativas: iniciativas através do design para o desenvolvimento socio-econômico.

Beatriz Maria Vicente Testoni, Clarissa Stefani Teixeira

Resumo


A economia criativa cresce cada vez mais no mercado mundial. Ao estudar essa vertente econômica, verifica-se seu sucesso quando aplicada em um nível local onde a influência dos setores criativos ultrapassa nichos de trabalho e produção e impactam a sociedade como um todo. Cidades criativas, como são chamados tais perímetros, usam da criatividade para potencializar e dimensionar seu desenvolvimento econômico e cultural. A UNESCO (Organização das Nações Unidas para Cultura, Ciência e Educação), para conectá-las, criou uma Rede de Cidades Criativas, que foi objeto de pesquisa do presente estudo. Berlim e Buenos Aires, cidades-membro, mostraram-se diligentes através de ações ligadas ao design e são abordadas de maneira mais profunda. 


Palavras-chave


Design; Economia Criativa

Texto completo:

PDF/A

Referências


ÁVILA, Carlos Federico Domínguez. A queda do muro de Berlim: um

estudo com fontes brasileiras. Revista de Sociologia e Política, v. 18,

n. 37, 2010. AVILA, C. F. D. 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 de julho de 2017.

BRADFORD, N. J. Creative cities: Structured policy dialogue backgrounder. Ottawa: Canadian Policy Research Networks. 2004. Disponível em:

ve-Cities-Backgr.pdf>. Acesso em: 02 de julho de 2017

BERLIN, Senate for Economics, Technology and Research. Monitoring Re-

port 2008-2016: Berlin City of Design. 2016. Disponível em:

TIVECITIES%20Network_inal.pdf>. Acesso em: 05 de julho de 2017.

BUENOS AIRES, Ciudad. Buenos Aires: City of Design. 2016. Disponível em:

Aires%20City%20of%20Design.pdf>. Acesso em: 06 de julho de 2017.

CARVALHO, C. L. de. Cidades criativas e a transformação. 2011. Em

Reis, A. C. F. (organizadora). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo:

Garimpo de Soluções, 2011, 18 – 20. Disponível em: < http://garimpo-

desolucoes.com.br/wp-content/uploads/2014/09/Livro_Cidades_Criati-

vas_Perspectivas_v1.pdf>. Acesso em: 10 de julho de 2017.

BUENOS AIRES, Ciudad. Centro Metropolitano de Diseño.2017. Dis-

ponível em: . Acesso em: 05 de

julho de 2017.

CRESWELL, John W. Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quan-

titativo e Misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 220 p.

INTERNATIONAL DESIGN CENTER. About us: IDZ – International De-

sign Center. Berlin. 2017. . Acesso

em: 7 de julho de 2017.

DZIOBCZENSKI, P.R.N. et al. Inovação através do design: princípios

sistêmicos do pensamento projetual. Revista Design & Tecnologia,

Porto Alegre, 3. 2011. Disponível em:

. Acesso em: 12 de julho de 2017GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilida-

des. Revista de administração de empresas, 35(2), 57-63, 1995. Dispo-

nível em: . Acesso

em: 2 de julho de 2017.

HOSPERS, G. J. Creative cities: Breeding places in the knowle-

dge economy. Knowledge, Technology & Policy, 16(3), 143-162,

Disponível em: < https://link.springer.com/article/10.1007%-

Fs12130-003-1037-1?LI=true>. Acesso em: 3 de julho de 2017

INTERNATIONAL DESIGN CENTER. About us: IDZ – International De-

sign Center. Berlin. 2017. . Acesso

em: 7 de julho de 2017.

REDE DE CIDADES DE DESIGN. Berlin: UNESCO City of Design. Berlin

City Government. 2017. Disponível em:

lin/>. Acesso em: 12 de julho de 2017.

LANDRY, C. Lineages of the creative city. Creativity and the City, Ne-

therlands Architecture Institute. 2005. Disponível em: < http://charles-

landry.com/panel/wp-content/uploads/downloads/2013/03/Lineages-o-

f-the-Creative-City.pdf>. Acesso em: 02 de julho de 2017.

MACHADO, L. A. Economia criativa: deinições, impactose desaios.

Vol. 11/21/julho 20121677-4973, 84, 2012. Disponível em: < http://www.faap.org/revista_faap/rel_internacionais/REVISTA_ECONOMIA_21.pd-

f#page=85> Acesso em: 03 de julho de 2017.

MACHADO, R. M. Da indústria cultural à economia criativa. Alceu,

Rio de Janeiro, 9, 83-95, 2009. Disponível em:

puc-rio.br/media/Alceu%2018_artigo%206%20(pp83%20a%2095).pdf>.

Acesso em: 04 de julho de 2017.

MENDES, A. A. O distrito audiovisual em Buenos Aires (Argentina): criati-

vidade e desenvolvimento territorial. Espaço e Economia. Revista brasi-

leira de geograia econômica, (8), 2016. Disponível em: Acesso em: 10 de julho de 2017

PRESTES, M. G., & FiGUEIREDO, L. F. G. Novas perspectivas para o design:designers como agentes de desenvolvimento local. Design & Tecnolo-

gia, 2(03), 38-45, 2012. Disponível em: Acesso em: 12 de julho de 2017.

UNESCO – United Nations Educational, Scientiic and Cultural Organiza-

tion - REDE CIDADES CRIATIVAS. Reporting & Monitoring. 2017. Dispo-

nível em:

toring>. Acesso em: 12 de julho de 2017.

REDE DE CIDADES DE DESIGN. Berlin: UNESCO City of Design. Berlin

City Government. 2017. Disponível em:

lin/>. Acesso em: 12 de julho de 2017.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. Cre-

ative Economy Report: The Challenge of Assessing the Creative Eco-

nomy: towards Informed Policy-making. 2008. Disponível em:

unctad.org/en/Docs/ditc20082cer_en.pdf> Acesso em: 04 de julho de

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development.

Creative Economy Report: Creative Economy: A Feasible Develop-

ment Option. 2010. Disponível em:

tab20103_en.pdf>. Acesso em: 04 de julho de 2017.

UNESCO - United Nations Educational, Scientiic and Cultural Organiza-

tion. Creative Economy Report Special Edition: Widening Local De-

velopment Pathways. 2013. Disponível em:

culture/pdf/creative-economy-report-2013.pdf>. Acesso em: 02 de julho

de 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

indexadores