A clínica na comunidade: Uma experiência de intervenção intersetorial para adolescentes em situação de vulnerabilidade psicossocial

Daniela Ribeiro Schneider, Leandro Oltramari, Cristiane Budde, André Luis Silveira, Sandra da Silveira

Resumo


A clínica ampliada deve romper com o setting da clínica tradicional e inserir-se na comunidade através de diferentes ações que possibilitem intervir junto ao sujeito em sua multidimensionalidade e não somente em sua dificuldade ou patologia. Sendo assim, a articulação intersetorial tem sido concebida como uma fonte eficiente de ampliação das condições de maior cuidado com a saúde e uma estratégia de diminuição de vulnerabilidades. O artigo traz um relato de experiência de um projeto que buscou efetivar uma articulação intersetorial entre a área acadêmica, cultural, educacional e da saúde mental, tendo como objetivo principal promover ações de socialização para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade psicossocial, articulando a Atenção Básica, CAPSi e a Escola, através da participação em oficinas culturais oferecidas para a comunidade por um Ponto de Cultura. Será relatado o percurso do projeto nos dois anos de funcionamento, os desafios da construção da intersetorialidade através do estabelecimento de parcerias com instituições de diferentes campos de atuação, os ganhos obtidos e as dificuldades enfrentadas nesta empreitada.


Palavras-chave


Clínica ampliada, Intersetorialidade; Intervenção Comunitária; Atenção Psicossocial; Adolescentes.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 2595-2420, Florianópolis - Santa Catarina, Brasil. Todos os direitos reservados, 2018.