Oficinas terapêuticas e produção de vínculo em CAPS AD

Virgínia Lima dos Santos Levy

Resumo


Considerando a importância de que as práticas ofertadas na Saúde Mental possam ser efetivamente terapêuticas, este artigo traz o relato de experiências com oficinas terapêuticas ocorridas entre os anos de 2010 e 2014 em um CAPS AD (a Oficina de “Cinema” e a Oficina “de Jogos”). A partir de tais vivências, foi possível refletir sobre o processo de surgimento e implantação de oficinas, enquanto processo que deve auxiliar no incentivo à autonomia do usuário, preconizado pelas Políticas Públicas. Mais do que propor atividades específicas, o profissional deve ter a vinculação com o usuário como enfoque, devendo atrelar o seu trabalho ao perfil da população presente, permitindo que não seja apenas a sua experiência profissional e/ou o seu referencial teórico, mas que sejam as demandas dos usuários o que guia o processo de tratamento, incluindo as oficinas. 


Palavras-chave


Oficinas terapêuticas; CAPS AD; Atenção psicossocial; Técnicas audiovisuais; Álcool/drogas.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 2595-2420, Florianópolis - Santa Catarina, Brasil. Todos os direitos reservados, 2018.