Agentes Comunitários de Saúde na Construção da Reforma Psiquiátrica Comunitária

Ana Maria Pereira Lopes, Fabiana de Souza

Resumo


O processo de Reforma Psiquiátrica brasileira requer novas estratégias de intervenção no cenário de saúde mental. Nesse contexto, as Unidades Básicas de Saúde (UBS) são dispositivos que buscam promover novas formas de relacionamento com a saúde mental. As UBS contam com os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), que são responsáveis pelo atendimento à comunidade. Buscou-se verificar qual a compreensão dos ACS de uma UBS do município de Palhoça/SC acerca da pessoa com transtorno mental. Buscou-se também identificar as problemáticas vivenciadas pelos ACS no atendimento a essas pessoas e suas famílias, e como encaminhavam as demandas a eles apresentadas. Realizou-se uma pesquisa qualitativa e exploratória junto a seis ACS por meio de entrevista semiestruturada. Por meio da análise de conteúdo, foram organizadas categorias a posteriori. Os dados indicam que os ACS não têm seu trabalho entendido como profissional. Têm dificuldades em compreender e reconhecer fenômenos relativos aos transtornos mentais e perspectivam, sobretudo, uma intervenção biológica junto às pessoas com transtornos mentais. Contudo, o trabalho dos ACS, que é baseado no senso comum, é visto por eles com possibilidades de ampliação, na medida em que tenham maior apoio da equipe de atenção básica.

Palavras-chave


Transtorno mental; Atenção básica; Agentes comunitários

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 2595-2420, Florianópolis - Santa Catarina, Brasil. Todos os direitos reservados, 2018.