A importância da inovação social e da economia criativa como indutores para o desenvolvimento sustentável.

Ana Cristina Fachinelli, Anelise D'arisbo, Erick de Melo Maciel

Resumo


Na sociedade do conhecimento emergem problemas que as inovações tecnológicas não podem resolver por sim mesmas. Abre-se espaço então para a inovação social (IS), que promove a transformação da realidade através de um processo de coletivo de criação, aprendizagem e invenção que estabelece novas e práticas sociais sustentáveis. Em relação ao sistema de produção e consumo, para que sejam sustentáveis devem ir ao encontro das demandas da sociedade por produtos e serviços sem perturbar os ciclos naturais nem empobrecer o capital natural. Uma forma econômica que se enquadra nesse contexto é a economia criativa (EC), pois é sustentável uma vez que sua base é a criatividade, o conhecimento e a cultura, matérias-primas intangíveis e renováveis. Ademais, a economia criativa pode gerar inovação social quando essas novas fontes passam a ser entendidas como elementos fundamentais para o desenvolvimento econômico, social e ambiental. A presente pesquisa teve como objetivo estudar a IS e a EC como fatores de desenvolvimento em âmbito local, buscando identificar aspectos estruturais de experiências bem sucedidas. Trata-se de estudo de caso na cidade de Bento Gonçalves que encontrou alternativas de desenvolvimento econômico viáveis para comunidades de forte tradição cultural decorrente da imigração italiana do século XIX. Como resultado, a análise do caso indicou que a inovação social a partir da economia criativa pode ser considerada como fator indutor de desenvolvimento especialmente em contextos sociais fortemente ancorados na cultura local.

Palavras-chave


Inovação Social; Economia Criativa; Desenvolvimento Sustentável.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Scholar Scholar Livre