O ESTUDO DE REDES DE EMPRESAS NO CONTEXTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE DO CENÁRIO BRASILEIRO

Rodrigo Ulisses Garbin Rocha, Derek Voigt, Nelson Casarotto Filho

Resumo


O presente artigo tem como objetivo contextualizar o estudo das redes de empresas nos programas de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. O profissional de Engenharia de Produção tem sido cada vez mais requerido no aspecto da Engenharia Organizacional, devido à complexidade dos arranjos e inter-relações que ocorrem entre empresas parceiras e também nos relacionamentos estabelecidos na cadeia de suprimentos. Cada vez mais tem se exigido do Engenheiro de Produção uma visão sistêmica, não apenas centrada em sua organização, mas ampliada as conexões estabelecidas pela rede. No entanto o estudo das redes em quase sua totalidade é abordado apenas nos programas de Pós-Graduação, envolvendo exclusivamente acadêmicos de mestrado e doutorado. Buscou-se caracterizar o estudo das redes nos Programas de Pós-Graduação da Engenharia de Produção por meio do levantamento de todos os programas existentes, quais deles oferecem alguma disciplina relacionada ao estudo das redes de empresas e quantos grupos de pesquisa existem relacionados à temática em questão. 

Palavras-chave


Redes de Empresas. Engenharia de Produção.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEPRO. Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares. Disponível em: http://www.abepro.org.br/arquivos/websites/1/Ref_curriculares_ABEPRO.pdf . Acesso em: 10 jan. 2019.

AMIN, A. An institutionalist perspective on regional economic development. International journal of urban and regional research, v. 23, n. 2, p. 365-378, 1999.

ANTONELLI, C.; FASSIO, C. The economics of the light economy: globalization, skill biased technological change and slow growth. Technological Forecasting and Social Change. v. 87, p. 89-107, 2014.

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. R. Réplica - Redes são redes ou redes são organizações? Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 523-533, Jul/Ago 2014.

BARABÁSI, A. Linked: The new science of networks. 2003.

BATALHA, M. O. ; RACHID, A. Estratégia e Organizações. In: BATALHA, Mário Otávio (org.). Introdução à Engenharia de Produção. Rio de janeiro: Elsvier, 2008.

BECATTINI, G. The Marshallian industrial district as a socio-economic notion. In: Pyke, F., Becattini G., e Sengenberger, W. (eds), Industrial Districts and Inter-firm Co-operation in Italy, International Institute for Labor Studies, Geneva, Switzerland, 1990.

BECATTINI, G.; BELLANDI, M.; DE PROPIS, L. A Handbook of Industrial Districts. Massachusetts: Edward Elgar Publishing, Inc, 2011.

BELUSSI, F.; CALDARI, K. At the origin of the industrial district: Alfred Marshall and the Cambridge school. Cambridge Journal of Economics, v. 33, n. 2, p. 335-355, 2008.

BODE, A.; TALMON L'ARMEE, T. B.; ALIG, S. Research note: clusters vs. networks–a literature-based approach towards an integrated concept. International Journal of Globalisation and Small Business, v. 4, n. 1, p. 92-110, 2010.

BORGATTI, S. P.; FOSTER, P. C. The network paradigm in organizational research: A review and typology. Journal of management, v. 29, n. 6, p. 991-1013, 2003.

BRASS, D. J.; GALASKIEWICZ, J.; GREVE, H. R.; TSAI, W. Taking stock of networks and organizations: A multilevel perspective. Academy of Management Journal, 47(6), 795-817, 2004.

BRESCHI, S.; MALERBA, F. Clusters, networks and innovation. Oxford University Press, 2005.

CASAROTTO FILHO, N. Clusters e inovação: as mudanças nos distritos industriais e a quarta etapa da intervenção na região da Emília-Romagna. In: AMATO NETO, J. (org.) Anais do Terceiro Seminário Internacional de Inovação na Pequena e Média Empresa. São Paulo, Poli-USP, 2015.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas, 2001.

CASTELLS, M. Sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. v. 1. 6 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

COSTA, E. J. M. Arranjos produtivos locais, políticas públicas e desenvolvimento regional. IDESP–Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. Brasília. Mais Gráfica Editora, 2010.

CUNHA, R. C. Perspectivas teóricas de análise das relações interorganizacionais. ANPAD, 2002.

CUNHA, I. J. Governança, internacionalização e competitividade de aglomerados produtivos de móveis no Sul do Brasil, Portugal e Espanha. Chapecó: Arcus Ind. Gráfica, 2007.

DALLA VECCHIA, R. V. R. (2006). Arranjos produtivos locais como estratégia de

desenvolvimento regional e local. Capital Científico, v. 4, n. 1, Jan/Dez.

DOROGOVTSEV, S. N.; GOLTSEV, A. V.; MENDES, J. F.; SAMUKHIN, A.N. Spectra of complex networks. Physical Review E, v. 68, n. 4, p. 046109, 2003.

EUROPEAN COMMISSION. The concept of clusters and clusters policies and their role for competitiveness and innovation: main statistical results and lesson learned. Comminnions Staff Working Document SEC (2008) 2637. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2016.

FAÉ, C. S.; RIBEIRO, J. L. D. Um retrato da engenharia de produção no Brasil. Gestão Industrial, v. 1, n. 3, p. 315-324, 2005.

FISCHER, A.; ROVER, A.; FRANSOZI, L. C.; MELLO, M. O. Aliança estratégica: rede oeste de cooperação de empresas contábeis de Santa Catarina. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online), Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 58–78, 2014.

FUMAGALLI, S; TRENTI, S (Ed.). Il ruolo dell'innovazione tecnologica nel distreto delle macchine agricole di modena e reggio Emilia. In: MOSCONI, Franco (Ed.). La metamorfosi del modelo emiliano": L'Emilia-Romagna e i distreti industriali che cambiano. Bologna: Società Editrice Il Mulino, 2012. p. 243-259.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA). Trajetória e estado da arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia. Brasília, v. VII, 2010.

JUNG, C. F. Metodologia para pesquisa e desenvolvimento: aplicada a novas tecnologias, produtos e processos. Axcel Books, 2004.

LEME, R.A.S. História da Engenharia de Produção. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, III, São Paulo, 1983. Anais.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia cientifica. 7 edição. Rio de Janeiro: Editora Atlas, 2010.

MARSHALL, A. Princípios de Economia. (3ªed). São Paulo: Nova Cultural, 1988.

McCANN, B.; FOLTA, T. B. Location matters: where we have been and where we might go in agglomeration research. Journal of Management, v. 34, n. 3, p. 532-565, 2008.

MORGAN, K.; COOKE, P. The associational economy: firms, regions, and innovation. University of Illinois at Urbana-Champaign's Academy for Entrepreneurial Leadership Historical Research Reference in Entrepreneurship, 1998.

NORONHA, E. G.; TURCHI, L. Política industrial e ambiente institucional na análise de arranjos produtivos locais. 2005.

PIRATELLI, Claudio Luis. A Engenharia de Produção no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, XXXIII, Campina Grande-PB, 2005.

PIZZINATTO, N. K,; FARAH, O. E. Pesquisa pura e aplicada para marketing. São Paulo: Atlas, 2012.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review,

v. 76, n. 6, p. 77-90, 1998.

PORTER, M. E. Location, competition, and economic development: local clusters in a global

economy. Economic Development Quarterly, v. 14, n. 1, p. 15-34, 2000.

PORTER, M. E. The economic performance of regions. Regional Studies, v. 37, n.6 e 7, p. 549-587, 2003.

PROVAN, K. G.; FISH, A.; SYDOW, J. Interorganizational networks at the network level: A review of the empirical literature on whole networks. Journal of management, v. 33, n. 3, p. 479-516, 2007.

WEGNER D.; DAHMER, L.V. Avaliação de Desempenho em Redes de Empresas. XXIV ENEGEP - Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Anais… Florianópolis, 2004.