Modelos de sustentabilidade de empresas do setor petroquímico baseados no modelo orientado para a representação do pensamento humano

Ivan Maia Tomé, Luís Paulo Bresciani

Resumo


O objetivo desta pesquisa é descrever o conhecimento divulgado sobre sustentabilidade de um grupo de empresas do setor petroquímico. Para a estruturação dos modelos de gestão das empresas, foi utilizado o Modelo Orientado para a Representação do Pensamento Humano, MORPH. Foi realizada uma pesquisa descritiva de modelos de empresas representados por frames, com regras de extração para definição dos critérios e dos objetos. Para efeito de comparação, foram escolhidas três empresas de um mesmo setor, o Petroquímico. As quais fazem parte de um programa que compartilha projetos de sustentabilidade, o Programa Em Boa Companhia da BM&F BOVESPA. Foram extraídos objetos qualitativos de sustentabilidade, comparando, quantitativamente, com os lucros das empresas. Dentre os principais resultados, observou-se de 2011 a 2012 que a Braskem teve prejuízo, enquanto que a Comgas teve lucro, sendo a partir de ambos foi extraída a mesma quantidade de objetos. Dentre as três empresas, é analisado que a Ultrapar tem o maior lucro e mais objetos que divulgam o interesse sobre sustentabilidade.

10.13084/2175-8018/ijie.v7n13p123-142

Palavras-chave


Extração de conhecimento; Gestão do conhecimento; Petroquímica; Sustentabilidade; System dynamics

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANDRADE, A. L.; SELEME, A.; RODRIGUES; L. H.; SOUTO, R. Pensamento Sistêmico: Caderno de campo: o desafio da mudança sustentada nas organizações e na sociedade. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BRASKEM. Disponível em: . Acesso em: 22 de abr. 2013.

BM&F BOVESPA. BRASKEM S.A. Disponível em: . Acesso em: 22 de abr. 2013.

_____b. CIA Gás de São Paulo - COMGAS. Disponível em: . Acesso em: 22 de abr. 2013.

_____c. Disponível em: Acesso em: 22 abr. 2013.

_____d. Em Boa Companhia. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2013.

_____e. Ultrapar Participações S.A. Disponível em: . Acesso em: 22 de abr. 2013.

CASTELLS, M. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2003.

CIFUENTES QUIN, C. A. Narrativas cibernéticas y arquitectura computacional. Barcelona: UPC, 2014. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universitat Politècnica de Catalunya, 2014.

COMGAS. Disponível em: . Acesso em: 22 de abr. 2013.

COSTA, F. M. Aquisição de conhecimento de agentes textuais baseada em MORPH. Limeira: UNICAMP, 2012. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, 2012.

COSTA, D. M.; RIEDEL, P. S.; LUPINACCI, C. M.; ZAMBON, A. C. Utilização do Modelo Orientado à Representação do Pensamento Humano (MORPH) no estabelecimento do Índice de Sensibilidade Fluvial (ISF): uma proposta de contribuição à Classificação da Sensibilidade Ambiental ao Óleo. Pesquisas em Geociências (Online), Porto Alegre, v. 42, p. 25-44, jan.-abr. 2015.

FLOOD, R. L. Creating problem solving: total system intervention. New York: John Wiley & Sons, 2002.

FORRESTER, J. W. Dinamica Industrial. Buenos Aires: El Ateneo. 1972.

GARDNER, H. A nova ciência da mente. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

GENTNER, D.; STEVENS, A. L. Mental models. New York: Psychology Press, 2014.

JACKSON, M. C. System thinking: creating holism for Managers. New York: John Wiley & Sons, 2003.

LOCKE, J. Two treatises of government. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

MARTIN, L. A. The First Step. Massachusetts: MIT, 1997.

NONAKA, I.; TAKEUSHI, H. The Knowledge-Creation Company: How Japanese Companies Create the Dynamics of Innovation. New York: Oxford University Press, 1995.

SARTORE, M. S. Da filantropia ao investimento socialmente responsável: novas distinções. Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 66, p. 451-464, set.-dez. 2012.

SENGE, P. M. A quinta disciplina: a arte e prática da organização que aprende. São Paulo: Best Seller, 2009.

STAVE, K. System dynamics for environmental applications. In: RUTH, M. (org). Handbook of Research methods and Applications in Environmental Studies. Boston: Edward Elgar Publishing, 2015. 327-345 p.

STRICKLAND, J. Simulation Conceptual Modeling. Lulu.com, 2011.

TOMÉ, I. M.; BRESCIANI, L. P. Explicitação e análise de modelos de sustentabilidade de empresas de gestão ambiental baseados em MORPH. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, Sousa, v. 5, n. 1, p. 21-38, 2015.

ULTRAPAR. Perfil e História. Disponível em: . Acesso em: 22 de abr. 2013.

US SIF. US SIF – The Forum for Sustainable and Responsible Investment. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2013.

VEIGA, J. L. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. 3 ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

WINKLER, Till J. Information technology governance and innovation adoption in varying organizational contexts. Berlim: HU-BERLIN, 2012. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Humboldt-Universität zu Berlin, 2012.

ZAMBON, A. C.; DELGADO, S. S. O paradoxo entre a geração do bem social e os objetivos econômicos das empresas do terceiro setor. In: XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2007, Foz do Iguaçu. Anais... Rio de Janeiro: ABEPRO, 2007.

ZAMBON, A.C.; SILVA, A. E. A.; CHISTE, C. Apoio à decisão na produção agrícola: análise de cenários por meio do MORPH e simulação. In: XXXI CONGRESO INTERNACIONAL DE COSTOS, Punta del Este. Anais... Montevidéu: AURCO, 2011.

ZAMBON, A. C. Uma contribuição ao processo de aquisição e sistematização do conhecimento multiespecialista e sua modelagem baseada na Dinâmica de Sistemas. São Carlos: UFSCAR, 2006. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade Federal de São Carlos, 2006.